Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Por que os EUA não são uma democracia e não podem ser reformados

Richard Hubert Barton Nuvens cinzentas prenunciam o horizonte sombrio para a democracia dos EUA, escreve Richard Barton.

Pode ser razoável começar com a administração Trump (2016-2020), especialmente considerando a possibilidade de que ele esteja prestes a fazer um retorno nas próximas eleições presidenciais em novembro. Quão próximo ele estava das corporações e dos muito ricos e até que ponto ele representava a vontade deles?

Como observado por Eric Lipton no New York Times, durante a presidência de Trump (2016-2020), houve “a fusão dos interesses empresariais privados com os assuntos do governo”.

Assim, por exemplo, o bilionário investidor Carl Icahn foi nomeado como conselheiro especial do presidente. Curiosamente, como ele não era um funcionário do governo oficial, ele, portanto, não estava sujeito aos requisitos de desinvestimento por conflito de interesses. Consequentemente, Icahn manteve a maioria de suas participações em uma refinaria de petróleo enquanto defendia uma mudança de regra que teria economizado mais de US$ 200 milhões em sua refinaria no ano anterior.

Vamos fazer um atalho e indicar quão plutocrático era o governo de Trump. O gabinete de Trump tinha mais riqueza pessoal combinada do que um terço das famílias americanas, e Icahn era mais rico do que todos eles juntos.

Como aponta Liz Kennedy, do Center for American Progress, os interesses corporativos estão em posição de gastar mais em eleições do que grupos trabalhistas ou de interesse público. Por exemplo, em 2014, os interesses comerciais gastaram US$ 1,1 bilhão em candidatos e comitês estaduais, em comparação com os US$ 215 milhões que os grupos trabalhistas gastaram.

Quanto Poder Político as Corporações dos EUA Exercem?

Infelizmente, o establishment dos EUA, diante de volumes tão grandes de dinheiro na política que dão aos lobistas um acesso muito maior aos legisladores do que deveria ser permitido em democracias liberais, não faz nada sobre o problema.

E quanto ao conceito muito alardeado de “freios e contrapesos”? O sistema foi teoricamente projetado para permitir que cada ramo de governo emende ou vete atos de outro ramo, para evitar que qualquer ramo tenha muito poder.

Mas a questão do dinheiro já foi abordada pela Suprema Corte. Em suas decisões como Buckley versus Valeo e Citizens United versus FEC, a Suprema Corte declarou que doações políticas e gastos com lobby eram uma forma de liberdade de expressão e, portanto, protegidos constitucionalmente. Que maneira inteligente de dar poder demais aos muito ricos! Na prática, mal se pode ver freios e contrapesos.

Quase nenhum político de alto escalão comentou sobre o impacto das decisões da Suprema Corte mencionadas acima.

Uma das exceções foi o ex-presidente Jimmy Carter. Em 2015, ele foi questionado em um programa de rádio, o Thom Hartmann Program, sobre o que ele pensava sobre a decisão Citizens United de 2010 e a decisão McCutcheon de 2014, ambas decisões dos cinco juízes republicanos da Suprema Corte dos EUA. Essas duas decisões históricas permitem que dinheiro ilimitado e secreto (incluindo dinheiro estrangeiro) agora flua para as campanhas políticas e judiciais dos EUA.

O presidente Carter elaborou da seguinte forma: “Isso viola a essência do que tornou os EUA um grande país em seu sistema político. Agora é apenas uma oligarquia com suborno político ilimitado, sendo a essência de conseguir as indicações para presidente ou ser eleito presidente. E a mesma coisa se aplica a governadores, senadores dos EUA e membros do Congresso. Então, agora nós apenas vimos uma subversão de nosso sistema político como um pagamento para grandes contribuintes, que querem e esperam, e às vezes conseguem, favores para si mesmos depois que a eleição acaba… No momento, os incumbentes, democratas e republicanos, veem esse dinheiro ilimitado como um grande benefício para si mesmos. Alguém que já está no Congresso tem muito mais a vender.”

Seria uma omissão grave não observar o comportamento daqueles que comandam o espetáculo. Depois de fazer essa observação condenatória, o ex-presidente foi cortado do programa, embora a declaração de Carter devesse ter sido o início do programa, não o seu fim. Deve-se observar que o programa não terminou com um convite para que ele retornasse para discutir este assunto crucial em profundidade – algo para o qual ele está mais do que qualificado. Se você não pode questionar a democracia estadunidense na mídia, pode-se ter uma impressão distinta sobre a ausência de democracia nos EUA e o viés da mídia.

Enquanto apenas seis corporações controlam 90 por cento da mídia nos EUA (há 37 anos cerca de 60 empresas), é interessante ver como, apesar da lavagem cerebral generalizada, os cidadãos estadunidenses comuns são críticos da influência excessiva das corporações. Em 2009, antes da decisão da Suprema Corte no caso Citizens United vs. FEC, removendo restrições ao gasto político corporativo, até 80 por cento dos estadunidenses concordavam com a declaração de que grandes contribuições políticas impediriam o Congresso de enfrentar os problemas importantes enfrentados pelos EUA de hoje – como a crise econômica, os crescentes custos de energia, a reforma da saúde e o aquecimento global.

Informações ainda mais interessantes sobre o que os estadunidenses pensam foram fornecidas por Ben Norton, fundador e editor do Geopolitical Economy Report, que conclui que os EUA não são uma democracia. Ele lembra um estudo do ano passado feito por um grupo chamado Aliança das Democracias, que é apoiado pela OTAN. Concluiu-se que 49 por cento das pessoas nos EUA consideram seu governo uma democracia, enquanto mais de 80 por cento das pessoas na China consideram seu governo uma democracia.

Norton observa que, de acordo com as pessoas que vivem no país, a China é uma democracia enquanto os EUA não são. E então ele acrescenta: “Você não pode ter uma democracia funcionando quando você tem bilionários e grandes corporações que podem decidir o que o governo realmente será.”

Então ele se concentra em uma diferença essencial entre os sistemas políticos dos EUA e da República Popular da China. “Quanto à China, com seu sistema único de socialismo com características chinesas, há um sistema em que as pessoas da classe trabalhadora podem ser representadas pelo governo porque o governo não é controlado por corporações. Essa é a diferença fundamental entre os governos chinês e estadunidense”, diz Norton.

Existe Luz no Fim do Túnel?

A Liz Kennedy já mencionada é muito útil para fazer alguém perceber que as corporações que administram os EUA não são um fenômeno recente. Alguns documentos históricos e discursos confirmam plenamente isso.

Vamos ler apenas alguns deles citados no livro do Senador Sheldon Whitehouse, Captured: The Corporate Infiltration of American Democracy. Os pais fundadores dos EUA reconheceram o perigo da captura corporativa. Já em 1816, Thomas Jefferson alertou a nova república para “esmagar em seu nascimento a aristocracia de nossas corporações monetárias que já desafiam nosso governo para um teste de força, e desafiam as leis de seu país”.

Quase um século depois, o presidente Theodore Roosevelt, em seu discurso anual ao Congresso em 1907, disse: “As fortunas acumuladas por meio de organizações corporativas são agora tão grandes e conferem tanto poder àqueles que as exercem, a ponto de tornar uma questão de necessidade dar ao soberano – isto é, ao governo, que representa o povo como um todo – algum poder efetivo de supervisão sobre seu uso corporativo”.

É importante destacar que o presidente Roosevelt foi responsável pela primeira proibição federal de contribuições políticas corporativas. Com a decisão de 2010 da Suprema Corte, a proibição já não é mais válida.

Notavelmente, Francis Fukuyama é frequentemente considerado um defensor das supostas virtudes da democracia liberal. No entanto, ele também explorou o declínio político nos EUA. Por exemplo, em seu livro The Origins of Political Order and Political Decay [1], ele diagnosticou os males da democracia dos EUA e colocou uma questão aberta quanto às soluções. Dentro do sistema político falido, ele destacou sua oposição aos seguintes pontos:

  • Volumes enormes de dinheiro na política que dão aos lobistas um acesso muito maior aos legisladores do que deveria ser permitido em democracias liberais.
  • Os EUA corporativos defendem o livre comércio e a imigração aberta – o que em sua visão poderia ser chamado de visão do Wall Street Journal.
  • Corporações transnacionais governando os EUA através da prática da “vetocracia” para evitar a assertividade do interesse público em políticas. Alimentar o público com informações falsas ou distorcidas. Ele observou em 2017 que um grande número de cidadãos estadunidenses não acreditaria em tais mídias mainstream como o New York Times ou a CNN.
  • O sistema do Colégio Eleitoral e a composição do Senado, que permitem – desta vez aos Republicanos – manter o poder, apesar de ganharem menos votos populares tanto em nível nacional quanto estadual.
  • Muitas decisões estão sendo tomadas através do processo legal em vez de um voto dos representantes.
  • Vetocracia que equivale à existência de muitos atores políticos com poder de veto, o que torna a tomada de decisões políticas muito difícil, se não impossível.

Para ser franco, existem outras práticas antidemocráticas que Fukuyama sujeitou talvez a uma omissão deliberada, ou tratamento parcial. Portanto, é inclinado a sugerir que seu retrato do estado corporativo falido tem outras sérias deficiências. Entre eles o voto postal e o voto sem identificação ou com identificação sem fotos. Afinal, a fraude eleitoral merece muita atenção, se até 77 por cento dos Republicanos (não apenas Donald Trump e Mike Johnson) acreditam que ela é generalizada. Não se precisa de muita imaginação para vislumbrar alguns dos mais de 22 milhões de imigrantes hispânicos ilegais votando sem identificação nas eleições futuras. Com toda a probabilidade, para Biden em gratidão por permitir a entrada ilegal nos EUA.

Fukuyama vê soluções eficazes para reparar o sistema político falido nos EUA? Em sua visão, há duas razões pelas quais é impossível reverter essas tendências de decadência e reformar o sistema nos EUA. A primeira razão: políticos de ambos os partidos não têm incentivo para cortar o acesso ao dinheiro dos grupos de interesse, e os grupos de interesse não querem criar um sistema onde o dinheiro não compre mais influência. A segunda razão: reformadores enojados com a decadência democrática expandiram o uso de iniciativas de cédulas para contornar um governo insensível, enquanto os cidadãos comuns acabaram não sendo capazes de fazer grandes números de escolhas de políticas públicas complexas. O resultado foi o preenchimento do vazio por grupos de ativistas bem organizados que não representavam o público como um todo.

Ramificações Internas Mais Amplas do Poder Corporativo

Possivelmente, nada pode demonstrar melhor o controle corporativo do que a redistribuição da riqueza nos EUA. Neste contexto, deve-se lembrar que o presidente George W. Bush, entre 2001-2003, conscientemente colocou a distribuição de renda em marcha à ré ao introduzir cortes de impostos de US$ 1,35 trilhão, nos quais os ricos foram beneficiados superlativamente. A tudo isso foi dada uma justificação supostamente lógica em termos de habilidades e educação. [2] Uma compreensão ainda mais profunda do problema fornece o pano de fundo das mudanças favoráveis aos ricos nos 30 ou mais anos antes do presidente Obama chegar ao poder em 2008. Referindo-se a Ha-Joon Chang, especialista em economia do desenvolvimento, pode-se apontar, por exemplo, como o salário dos CEOs americanos atingiu níveis exorbitantes, onde os CEOs contemporâneos ganham aproximadamente 10 vezes mais do que seus homólogos na década de 1960. [2] Naquela época anterior, eles recebiam de 30 a 40 vezes mais do que a média dos salários de um trabalhador. Agora, a compensação média do CEO (salários, bônus, pensões e opções de ações) nos Estados Unidos é de 300-400 vezes a compensação média do trabalhador (salários e benefícios). Pode ser de considerável interesse observar que o salário executivo é muito menor na Europa Ocidental e no Japão. Na China, os CEOs recebem apenas entre 3-6 vezes o salário médio do trabalhador.

Alguns dados mais atualizados sobre desigualdade econômica nos EUA vêm do novo livro de Matthew Desmond, Pobreza, pela América. Pontos-chave merecem ser reconhecidos. A principal linha de seu argumento se resume a explorar por que a taxa de pobreza nos EUA não melhorou em meio século. Nos últimos 50 anos, a taxa de pobreza (11-12 por cento) pouco mudou. Ele sugere que muitos estadunidenses e corporações lucram, com dezenas de milhões de pessoas tendo tão pouco. Bancos ganham bilhões por ano em taxas de cheque especial. Empresas podem pagar baixos salários a seus trabalhadores e economizar em benefícios.

No que diz respeito aos salários reais, para muitos estadunidenses hoje, seus salários são aproximadamente o que eram há 40 anos.

Outra anomalia é que, em 2020, o governo federal gastou US$ 53 bilhões em assistência habitacional direta para os necessitados. No mesmo ano, porém, gastou mais de US$ 193 bilhões em subsídios para proprietários de imóveis. Em 2020, 18 milhões de pessoas estavam vivendo em extrema pobreza. Esta categoria incluía pessoas que ganham menos de US$ 6.380 por ano, ou famílias de quatro pessoas vivendo com menos de US$ 13.100.

A lacuna de riqueza racial é tão grande quanto nos anos 1960. Em 2019, o patrimônio líquido médio de um domicílio branco era de US$ 188.200, em comparação com US$ 24.100 para o domicílio médio negro. Isso indica que a os EUA Corporativos não resolveram os problemas endêmicos de desigualdade racial.

Outra medida de decadência social é a condição da infraestrutura dos EUA. Para perceber o quão ruim ela é, vamos dar exemplos citados por Donald Trump em seu livro EUA Incapacitados. [3] O primeiro exemplo sobre os aeroportos é na verdade uma citação do presidente Biden, que era vice-presidente na época: “Se eu vendasse alguém e o levasse às duas da manhã para o aeroporto de Hong Kong e perguntasse: ‘Onde você acha que está?’, ele diria: ‘Isso deve ser os EUA. É um aeroporto moderno.’ Mas se eu te vendasse e te levasse ao aeroporto La Guardia em Nova York, você pensaria: ‘Devo estar em algum país do terceiro mundo’.”

O segundo comentário é do próprio Trump sobre a negligência gritante das pontes nos Estados Unidos. Trump comentou: “A infraestrutura deste país está se desintegrando. Segundo engenheiros, uma em cada nove pontes neste país é estruturalmente deficiente, aproximadamente um quarto delas já são obsoletas funcionalmente, e quase um terço delas excederam suas vidas úteis de projeto.”

Não surpreendentemente, as descrições acima contrastam nitidamente com o relato recente de uma breve visita a Moscou feita pelo locutor de mídia americano Tucker Carlson. Dominic Mastrangelo, um redator da The Hill cobrindo mídia e política, destacou as seguintes observações de Carlson:

“O que foi muito chocante, muito perturbador foi a cidade de Moscou, onde eu nunca tinha estado… era muito mais bonita do que qualquer cidade do meu país”, disse ele, chamando a capital russa de “muito mais limpa e mais bonita esteticamente – sua arquitetura, sua comida, seus serviços – do que qualquer cidade nos Estados Unidos.”

A pergunta que permanece a ser respondida é por que há tanta desigualdade, pobreza e negligência nos EUA. A resposta sugere-se. Não é apenas a ganância corporativa, mas também a política externa corporativa. É bem sabido que principalmente como resultado da interferência e guerras americanas pelo mundo todo, a dívida federal dos EUA aumentou para US$ 33,17 trilhões em 2023.

Amplas Ramificações Externas do Poder Corporativo na Chechênia:

De fato, para compreender o domínio corporativo nos EUA, é necessário ter um vislumbre da política externa dos EUA. Uma das primeiras interferências dos EUA após o colapso da URSS foi seu apoio aos separatistas chechenos. O objetivo, embora não declarado oficialmente, era a desintegração da Federação Russa e o acesso aos seus vastos recursos minerais.

Como sabemos, o presidente Putin acusou os serviços de inteligência dos EUA de fornecerem apoio direto a “terroristas” na Rússia. No documentário de Oliver Stone de 2017, “As Entrevistas de Putin”, Putin comentou: “Quando surgiram esses problemas na Chechênia e no Cáucaso, infelizmente os estadunidenses apoiaram esses processos. Assumimos que a Guerra Fria havia acabado, que tínhamos relações transparentes com o resto do mundo, com a Europa e os EUA, e certamente contávamos com o apoio [deles], mas, em vez disso, testemunhamos que os serviços de inteligência americanos apoiaram [esses] terroristas…”.

A Conferência de Rambouillet e o bombardeio da Sérvia:

Outra intervenção dos EUA foi nos Bálcãs. O ex-primeiro-ministro australiano, Malcolm Fraser, com Cain Roberts, não rodeiam o assunto ao divulgar alguns detalhes confidenciais em seu livro. Em primeiro lugar, a secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, conhecida por sua afirmação supremacista de que “os estadunidenses merecem liderar porque conseguem ver mais longe do que outras pessoas”, foi instrumental na organização da conferência de Rambouillet com o propósito de dar luz verde aos Estados Unidos e à OTAN para bombardear a Sérvia em 1999. Ela tinha o forte apoio do presidente Bill Clinton e do primeiro-ministro britânico Tony Blair. Segundo relatos, ela acreditava que quatro ou cinco dias de bombardeio dobrariam o líder sérvio Milosevic. Na verdade, a campanha de bombardeio durou 78 dias, durante os quais alguns subúrbios foram arrasados.

Estritamente falando, os termos formulados em Rambouillet eram tão duros que nenhum líder sérvio poderia tê-los aceitado. Além disso, em 1998, o Departamento de Estado dos EUA removeu o Exército de Libertação do Kosovo de sua lista de organizações terroristas.

Malcolm Fraser e Cain Roberts referem-se a William Shawcross, que em “Livrai-nos do Mal”, acusam os EUA de incentivar a limpeza étnica croata dos sérvios da Krajina. Foi a maior limpeza étnica nos Bálcãs, envolvendo 250.000 pessoas. Curiosamente, mal foi mencionada e nunca foi condenada pela OTAN e pelo Ocidente.

Por que uma ação tão bárbara foi empreendida contra a Sérvia permanece a questão-chave. Bem, como alguns dizem, a verdade é o que não nos é dito. Neste caso, é possível sugerir que o principal objetivo era eliminar o último aliado europeu da Rússia fora da Comunidade dos Estados Independentes (CEI).

O verdadeiro pano de fundo da invasão dos EUA ao Afeganistão:

Tudo se tratava de gás e petróleo. Anos antes da invasão dos EUA em 2001, os líderes dos Taliban foram tratados com tapete vermelho no Texas e lhes foi prometida uma bonança de dólares se um projeto de oleoduto proposto seguisse adiante. Mas quando confrontados com a recusa dos Taliban em aceitar as condições dos EUA (as negociações fracassaram com a empresa Unocal por causa das irritantes taxas de trânsito), uma opção militar foi levantada. Em julho de 2001, na cúpula do Grupo dos Oito em Nápoles, decidiu-se que os EUA derrubariam os Taliban até outubro daquele ano. A guerra no Afeganistão foi vendida ao público como uma reação aos ataques ao World Trade Center em 11 de setembro de 2001, e esta é a versão oficialmente mantida até os dias de hoje. Quão hipócrita se pode ser?

Ironicamente, os EUA não conseguiram seu petróleo e gás nem transplantaram sua marca de “democracia”. Após 20 anos de ocupação do Afeganistão, os EUA tiveram que finalmente se retirar em desgraça.

A invasão do Iraque:

A partir de detalhes obtidos sob a Lei de Liberdade de Informação, aprendemos que no período de 2001 a 2003, planos para invadir o Iraque foram iniciados para controlar a vasta riqueza petrolífera do país antes da formulação completa das acusações de possuir Armas de Destruição em Massa (ADM) por Saddam Hussein.

No entanto, apesar da falta de evidências sólidas de ADM no Iraque, a guerra foi vendida ao público como uma medida para prevenir a produção e uso de tais armas. Todos os principais defensores da guerra soavam apocalípticos. Assim, Donald Rumsfeld, o Secretário de Defesa dos EUA (2001-2006), declarou sobre as ADM imaginadas: “Nós sabemos onde elas estão”. Rumsfeld também afirmou: “Dentro de uma semana, ou um mês, Saddam poderia dar suas ADM para a Al-Qaeda”. Tony Blair soava igualmente alarmista e categórico, dizendo: “Saddam tem armas químicas e biológicas que poderiam ser lançadas em 45 minutos.”

Todas essas afirmações feitas por líderes dos EUA e britânicos foram posteriormente descobertas como mentiras e falsidades.

Além disso, Francis Fukuyama é injusto em seus comentários sobre a guerra no Iraque. Ele fala sobre o ambicioso projeto dos EUA de derrubar Saddam Hussein e introduzir a democracia no Iraque e no Oriente Médio. Não há sequer uma palavra sobre Saddam não ter ADM. Constrangedoramente, foi o primeiro-ministro australiano John Howard, um aliado próximo de George W. Bush, que revelou a verdade ao admitir que o petróleo era o principal motivo da invasão do Iraque em 2003.

O pesquisador Raymond Hinnebush capturou de forma convincente o dilema do Ocidente sobre o comércio de petróleo iraquiano. Deixe-me citá-lo:

“Enquanto as monarquias conservadoras do Golfo, em virtude de sua dependência de segurança dos EUA e de seus investimentos ocidentais, tinham um interesse compartilhado com o Ocidente em garantir acesso estável e não politizado ao petróleo a preços moderados, o Iraque não tinha tal participação. O Iraque, é claro, estava em extrema necessidade de receitas e tinha que vender seu petróleo a preços que os consumidores pagariam; mas a ameaça de Saddam de condicionar os termos das vendas de petróleo a uma política favorável do Ocidente no conflito árabe-israelense colocou os políticos dos EUA entre duas demandas domésticas contraditórias poderosas – por gasolina barata e pelo avanço dos interesses de Israel. Portanto, o que estava em jogo não era o acesso ao petróleo, mas o acesso nos termos de Washington, não de Saddam.

A situação atual no mundo está cada vez menos favorável aos EUA. Os EUA estão envolvidos em uma variedade de graus em conflitos que requerem enorme assistência financeira e gastos. Os principais conflitos nos quais está envolvido incluem Taiwan versus China, o Oriente Médio e o conflito na Ucrânia. Eles perderam sua influência na Arábia Saudita, que está cooperando totalmente com a Rússia. Na Ucrânia, qualquer pessoa em seus plenos sentidos percebe que, mesmo com os mais de $60 bilhões bloqueados no Congresso, não há qualquer esperança de derrotar a Rússia. De pouca consolação são as alegações de que 90 por cento da assistência militar designada dos EUA voltará para os EUA na forma de encomendas e empregos para o complexo militar-industrial. Nessas circunstâncias, o líder francês Emmanuel Macron está desesperado e propõe enviar tropas da OTAN para a Ucrânia.

Apesar do surgimento de um mundo multipolar, o establishment dos EUA não desiste da ideia de liderar o mundo. Em outubro de 2023, o Secretário de Estado Antony Blinken afirmou: “Os EUA não pretendem abrir mão da dominação do mundo. Ele [o mundo] ainda precisa da liderança americana.”

E vamos lembrar o que o concorrente republicano na corrida presidencial de 2024, Donald Trump, disse em sua campanha presidencial anterior. Seus pensamentos aleatórios foram os seguintes:

“Somos únicos entre as nações do mundo, e devemos liderar, não seguir. Ganhar, não perder. Os EUA são os líderes do mundo livre. Nós conquistamos o direito de nos gabar e deixar claro que estamos prontos e dispostos a fazer o que for necessário para defender este país e a liberdade em qualquer lugar do mundo.”

Temos alguma razão para supor que ele pensa de maneira diferente agora?

Na verdade, nuvens cinzentas ameaçadoras permanecem na linha do horizonte para a democracia dos EUA.

REFERÊNCIAS

[1] Francis Fukuyama, The Origins of Political Order and Political Decay, Farrar, Straus and Giroux, New York, 2014, pp. 292-294

[2] H. Chang, 23 Things They Don’t Tell You About Capitalism, Allen Lane, London, 2010, pp.148-150

[3] Donald Trump, Crippled America, Threshold Editions, New York, 2015, p.120

[4] Malcolm Fraser with Cain Roberts, Dangerous Allies, Melbourne University Press, 2014, pp.188 – 190

[5] Francis Fukuyama, State Building, Profile Books Ltd, London, 2004, pp.128-129

[6] Raymond Hinnebush, The International Politics of the Middle East, Manchester University Press, 2003, pp. 214–218

FONTE: https://www.brasil247.com/ideias/por-que-os-eua-nao-sao-uma-democracia-e-nao-podem-ser-reformados