Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Putin desmascara propaganda belicista anti-China de Tucker Carlson e zomba de seus laços com a CIA

O apresentador de extrema-direita teme que uma aliança China-Rússia ponha fim à hegemonia dos EUA sobre o planeta.

O apresentador de TV dos EUA, Tucker Carlson, provocou um escândalo político ao viajar a Moscou em fevereiro para entrevistar o presidente russo Vladimir Putin. Isso provocou um debate na mídia, que – como tantas vezes acontece na política partidária dos EUA – completamente perdeu o foco do problema.

Falcões da guerra liberais como Hillary Clinton retrataram Tucker Carlson como um traidor e “idiota útil” de Putin. Os democratas foram cegados pelo seu ódio obsessivo à Rússia e são completamente incapazes de ver o que está acontecendo geopoliticamente.

Na realidade, Carlson e outros aliados de Donald Trump no Partido Republicano tentaram há anos criar uma cunha entre a Rússia e a China, enquanto empurravam maniacamente para a guerra com Pequim. O ex-assessor-chefe de Trump, Steve Bannon, que comandou a campanha presidencial do líder de extrema-direita em 2016, afirmou abertamente em 2018: “Estamos em guerra com a China”. Bannon chamou para “unir o Ocidente contra o surgimento de uma China totalitária”. E ele considera a Rússia parte do “Ocidente”.

Essa estratégia também foi adotada pela líder de extrema-direita da França, Marine Le Pen, que afirmou em 2022 que queria melhorar as relações com a Rússia para impedir que esta se aliasse à China.

Os republicanos trumpistas e seus parceiros de extrema-direita na Europa veem a Rússia como branca, europeia, cristã e capitalista, e uma aliada potencial contra a China, que demonizam como uma ameaça não branca, asiática, ateísta e comunista à chamada “civilização ocidental judaico-cristã”.

Carlson desempenhou um papel-chave nessa campanha belicista contra a China. Quando tinha seu programa no horário nobre da Fox News, Carlson declarou: “A Rússia não é o principal inimigo da América. Obviamente, nenhuma pessoa sã pensa que é. Nosso principal inimigo, é claro, é a China. E os Estados Unidos deveriam ter uma relação com a Rússia, alinhada contra a China”.

A narrativa de que Carlson é “anti-guerra” é totalmente falsa. A razão pela qual ele se opõe à guerra por procuração contra a Rússia na Ucrânia é simplesmente porque quer todos os recursos focados na guerra com a China. Carlson insistiu em seu programa da Fox, “A maior ameaça a este país não é Vladimir Putin; isso é ridículo. A maior ameaça, obviamente, é a China”.

O apresentador de extrema-direita teme que uma aliança China-Rússia ponha fim à hegemonia dos EUA sobre o planeta, algo que o aliado próximo de Trump deseja preservar. “Se a Rússia se unir à China algum dia, a hegemonia global americana, seu poder, acabaria instantaneamente”, lamentou Carlson. “Se a Rússia e a China se juntarem, será um mundo totalmente novo, e os Estados Unidos seriam grandemente diminuídos. A maioria dos americanos concorda que isso seria ruim”.

Desde que foi demitido da Fox News em 2023, Carlson continuou a empurrar essa mesma narrativa belicista: que os EUA deveriam se aliar à Rússia contra a China. Em sua entrevista de fevereiro com Putin, no entanto, o líder russo pôde ver claramente que Carlson é um operativo político agindo em nome do Partido Republicano e de Trump, e que esperam encorajar a divisão entre Moscou e seu aliado mais importante.

Putin rejeitou as narrativas histéricas anti-China de Carlson, que ele se referiu como meras “histórias de bicho-papão”. O presidente russo enfatizou que a China quer cooperação pacífica, e que “a filosofia de política externa da China não é agressiva”.

O seguinte é uma transcrição da entrevista de 6 de fevereiro:

TUCKER CARLSON: A questão é o que vem a seguir? E talvez você troque um poder colonial por outro, muito menos sentimental e perdoável poder colonial. Quer dizer, os BRICS, por exemplo, correm o risco de serem completamente dominados pelos chineses, pela economia chinesa, de uma forma que não é boa para sua soberania? Você se preocupa com isso?

VLADIMIR PUTIN: Já ouvimos essas histórias de bicho-papão antes. É uma história de bicho-papão.

Somos vizinhos da China. Você não pode escolher vizinhos, assim como não pode escolher parentes próximos. Compartilhamos uma fronteira de mil quilômetros com eles. Isso é o número um.

Em segundo lugar, temos uma história de coexistência de séculos. Estamos acostumados com isso.

Em terceiro lugar, a filosofia de política externa da China não é agressiva. Sua ideia é sempre buscar um compromisso. E nós podemos ver isso.

O próximo ponto é o seguinte. Sempre nos contam a mesma história de bicho-papão, e aqui vamos nós de novo, através de uma forma eufemística, mas ainda é a mesma história de bicho-papão.

A cooperação com a China continua aumentando. O ritmo com que a cooperação da China com a Europa está crescendo é maior e maior do que o crescimento da cooperação sino-russa. Pergunte aos europeus. Eles têm medo? Eles podem ter. Eu não sei. Mas eles ainda estão tentando acessar o mercado chinês a todo custo. Especialmente agora que estão enfrentando problemas econômicos.

As empresas chinesas também estão explorando o mercado europeu.

As empresas chinesas têm pequena presença nos Estados Unidos? Sim.

As decisões políticas são tais que estão tentando limitar a cooperação com a China.

É para seu próprio prejuízo, Sr. Tucker, que você está limitando a cooperação com a China. Você está se prejudicando.

Como Putin deixou claro, os republicanos falharam em isolar a China da Rússia e em dividir os BRICS. A ironia é que a histeria do Partido Democrata sobre a conspiração do Russiagate, combinada com a guerra na Ucrânia, impediu os elementos trumpistas de perceberem essa estratégia.

(O fracasso de Washington em dividir a Rússia da China só incentivou ainda mais os Estados Unidos a se concentrarem pesadamente em se aliar ao governo de extrema-direita da Índia, buscando provocar conflitos entre Nova Delhi e Pequim. Tanto Trump quanto Joe Biden buscaram atrair a Índia.)

A retórica belicista anti-China de Carlson não foi apenas uma isca para sua audiência conservadora típica da Fox News. Desde que foi demitido, Carlson continuou a produzir essa propaganda caricata como um comunicador independente.

Em 2 de fevereiro, apenas quatro dias antes de entrevistar Putin, Carlson publicou um vídeo afirmando que a China está “alimentando a invasão da América”. A implicação era que a guerra contra Pequim seria justificada em resposta a uma suposta “invasão” apoiada pelo comunismo chinês.

Em novembro de 2023, Carlson lançou uma entrevista com Trump, na qual ambos fomentaram o medo sobre Pequim.

“Por que a China tem permissão para conduzir o imperialismo em nosso hemisfério?” Carlson perguntou.

Trump respondeu: “Sim, e vai muito além de Cuba; está por toda a América do Sul”. O ex-presidente dos EUA então afirmou, sem um pingo de evidência, que “a China está construindo instalações militares em Cuba”.

Carlson é amigo pessoal de Trump e age como propagandista para o ex-presidente e sua facção do Partido Republicano.

Mas sua relação vai além da amizade. Na verdade, Trump já disse publicamente que considerou Carlson como vice-presidente dos Estados Unidos.

Isso é especialmente relevante considerando que Trump pode muito bem vencer a eleição presidencial deste ano. A maioria das pesquisas mostra que ele está liderando sobre Biden, incluindo em estados-chave.

Enquanto faz campanha para presidente, Trump prometeu implementar políticas anti-China extremamente agressivas. O Washington Post relatou, citando seus conselheiros, que “Trump está se preparando para uma nova guerra comercial massiva com a China” e quer impor tarifas de 60% sobre todas as importações de bens chineses nos EUA.

Quando perguntado sobre isso na Fox News, Trump sugeriu tarifas ainda mais altas do que 60%, afirmando: “Eu diria que talvez seja mais que isso”.

Historicamente, guerras econômicas dessa magnitude muitas vezes levam a conflitos militares. Portanto, as políticas anti-China belicosas de Trump poderiam se transformar em uma guerra convencional.

Além de ser um aliado próximo de Trump, Carlson usou sua grande plataforma de mídia pessoal pós-Fox para promover o candidato presidencial republicano Vivek Ramaswamy. Juntos, eles têm fomentado o medo da China e da guerra sobre Taiwan.

Ramaswamy fez campanha em uma plataforma de política externa trumpista e carlsoniana, argumentando que os EUA deveriam se aliar à Rússia para tentar isolar a China.

Ironicamente, essa estratégia defendida por Trump, Bannon, Ramaswamy e Carlson também foi promovida anteriormente por Henry Kissinger.

Na administração de Richard Nixon nos anos 1970, Kissinger usou a “diplomacia triangular” para jogar a China contra a União Soviética. A aliança de Washington com Pequim foi um fator significativo que levou à desestabilização e eventual derrubada da URSS.

Em 2018, Kissinger defendeu o retorno a essa diplomacia triangular, mas na direção oposta. O Daily Beast relatou: “Henry Kissinger sugeriu ao presidente Donald Trump que os Estados Unidos deveriam trabalhar com a Rússia para conter uma China em ascensão”.

Com o surgimento de Donald Trump e seu movimento de extrema-direita, Tucker Carlson tentou se rebrandear como um suposto populista.

Mas Carlson sempre foi da realeza midiática azul. Seu nome do meio é Swanson, e sua madrasta era a herdeira da corporação alimentícia homônima.

Descendente de uma família poderosa, rica e politicamente conectada, Carlson começou sua carreira midiática como um falcão neoconservador, produzindo artigos pró-guerra para o infame Weekly Standard.

Carlson logo foi promovido, nos anos 2000, para apresentar programas na CNN e MSNBC, antes de se mudar para a Fox News.

Na era Trump, Carlson se apresentou como um paleoconservador, condenando os neoconservadores para ganhar pontos com os “populistas”. Mas durante a administração de George W. Bush, Carlson era um neoconservador de carteirinha.

Carlson apoiou entusiasticamente a invasão ilegal dos EUA ao Iraque, usando pontos de fala neocoloniais e racistas.

Como escreveu o Daily Beast: “Tucker Carlson descreveu os iraquianos como ‘macacos primitivos semiletrados’ em comentários passados feitos no programa de rádio Bubba The Love Sponge, de acordo com novas gravações de áudio descobertas pelo Media Matters. O apresentador da Fox News também afirmou que os iraquianos não ‘se comportam como seres humanos’ e disse que tinha ‘zero simpatia’ pelos iraquianos ou pela cultura deles durante uma discussão em maio de 2006 sobre a Guerra do Iraque no popular programa de rádio. ‘Uma cultura onde as pessoas simplesmente não usam papel higiênico ou garfos’, disse Carlson – acrescentando que os iraquianos deveriam ‘apenas calar a boca e obedecer’ aos EUA porque ‘eles não podem se governar’. Em um episódio de setembro de 2009, Carlson também proclamou que o Afeganistão nunca seria um ‘país civilizado porque as pessoas não são civilizadas’ “.

Na verdade, Carlson era tão dedicado a Reagan e à Guerra Fria que, quando estava na faculdade, ele se candidatou para ingressar na CIA.

O jornalista Alan Macleod mostrou como, nos anos 1980, Carlson viajou para a Nicarágua para apoiar os esquadrões da morte de extrema-direita da CIA, os Contras, em sua guerra de terror contra o governo revolucionário sandinista.

O pai de Tucker, Richard “Dick” Carlson, era diretor da Voice of America, um órgão de propaganda do governo dos EUA que está intimamente ligado à CIA e a outras agências de espionagem.

A inteligência russa claramente sabia dos laços de Carlson com a CIA. Então, quando ele entrevistou Putin em fevereiro, o líder russo zombou de Carlson por ter se candidatado para ingressar na notória agência de espionagem dos EUA, que Putin enfatizou ter organizado muitos golpes de estado e interferido nos assuntos internos de inúmeros países estrangeiros.

O seguinte é uma transcrição da conversa:

TUCKER CARLSON: Com o apoio de quem?

VLADIMIR PUTIN: Com o apoio da CIA, é claro. A organização que você queria ingressar naquela época, pelo que eu entendi.

Devemos agradecer a Deus por eles não terem deixado você entrar. Embora seja uma organização séria, eu entendo.

Meu ex-contraparte, no sentido de que servi na primeira direção principal, o serviço de inteligência da União Soviética.

Eles sempre foram nossos oponentes. Um trabalho é um trabalho.

Embora critique os neoconservadores hoje, a política externa de Carlson em relação à América Latina é decididamente neoconservadora e neocolonial.

Carlson rotineiramente trata a América Latina como o “quintal” dos EUA e frequentemente reclama que a China está supostamente tentando “tomar conta” e até colonizar “nosso hemisfério”. Em 2022, quando ainda estava na Fox News, Carlson viajou ao Brasil para produzir um documentário de propaganda para o líder de extrema-direita Jair Bolsonaro, que era fervorosamente pró-EUA e anti-China. Na verdade, Carlson estava interferindo na eleição do Brasil, buscando impedir o retorno ao poder do esquerdista Lula da Silva (que acabou vencendo a eleição de 2022).

No vídeo promocional que Carlson fez para Bolsonaro, ele invocou a Doutrina Monroe, de 200 anos atrás, explicitamente colonial, para fomentar o medo sobre as relações bilaterais e consensuais da China com as nações latino-americanas – e justificar o intervencionismo cada vez mais agressivo dos EUA na região.

O apresentador da Fox News declarou: Em 1823, o presidente James Monroe anunciou uma política que tem sido o centro da política externa americana nos últimos 200 anos. Chamada de Doutrina Monroe, ela tem uma tese muito simples: Grandes potências não teriam permissão para controlar nações no hemisfério ocidental. Isso seria uma ameaça direta aos interesses dos Estados Unidos. E por 200 anos, não permitimos isso.

Sob a administração Biden, a Doutrina Monroe não é mais aplicada.

Amparado por suas preocupações ideológicas, consumido por pequenas queixas políticas e, acima de tudo, distraído por uma guerra distante no Leste Europeu [ou seja, contra a Rússia na Ucrânia], a administração Biden abdicou de sua responsabilidade.

E no vácuo deixado pelos Estados Unidos avança uma nova superpotência.

Viemos ao Brasil para ver por nós mesmos o surgimento da China, e como o governo da China está substituindo os Estados Unidos como a potência dominante em nosso hemisfério.

Essa diatribe anti-China, pró-colonial, foi um lembrete contundente de que Carlson é, na verdade, um ardente defensor do imperialismo dos EUA.

Carlson não está sozinho nessa cruzada. Referindo-se à China como uma “ameaça de longo prazo”, republicanos, liderados por Trump e Carlson, querem deixar de lado as diferenças com a Rússia e dedicar todos os recursos do império dos EUA para conter, enfraquecer e, finalmente, derrubar o Partido Comunista da China.

Ambos os partidos políticos dominantes dos EUA são profundamente imperialistas. Sua luta não é sobre se o imperialismo deve ser combatido, mas sim sobre quem deve liderá-lo e em que direção ele deve ser direcionado.

FONTE: https://www.brasil247.com/blog/putin-desmascara-propaganda-belicista-anti-china-de-tucker-carlson-e-zomba-de-seus-lacos-com-a-cia