Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Putin diz que Zelensky não tem legitimidade após o fim do mandato

Mandato do presidente ucraniano terminou e Volodymyr Zelensky não enfrentou eleições, algo que ele e seus aliados ocidentais consideraram como uma decisão certa em tempo de guerra.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta sexta-feira que o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, não tinha legitimidade após o término de seu mandato de cinco anos e que isso criaria um obstáculo legal se a Rússia e a Ucrânia mantivessem conversações de paz.

Com a Ucrânia sob lei marcial no terceiro ano da invasão em grande escala da Rússia, Zelensky não enfrentou eleições, apesar do seu mandato de cinco anos ter expirado esta semana – algo que ele e os aliados da Ucrânia consideram a decisão certa em tempo de guerra.

Putin está pronto para interromper a guerra na Ucrânia com um cessar-fogo negociado que reconheça as atuais linhas do campo de batalha, informou a Reuters na sexta-feira, citando quatro fontes russas, mas está pronto para continuar a lutar se Kiev e o Ocidente não responderem.

Numa conferência de imprensa televisionada durante uma visita à Bielorrússia, Putin disse que o status de Zelensky era problemático.

“Mas com quem negociar? Essa não é uma questão inútil… É claro que percebemos que a legitimidade do chefe de Estado em exercício acabou”, disse ele.

As autoridades ucranianas rejeitam qualquer noção de falta de legitimidade de Zelensky em tempos de guerra.

Ruslan Stefanchuk, presidente do parlamento ucraniano, disse esta semana que qualquer pessoa que questionasse a legitimidade do presidente era um “inimigo da Ucrânia” que espalhava informações falsas.

Putin disse que o Ocidente usaria uma conferência sobre a guerra organizada pela Suíça, que deverá ocorrer no próximo mês, para endossar a legitimidade de Zelensky, mas estas seriam “medidas de relações públicas” sem significado legal.

Ele disse que a paz deveria ser alcançada através do bom senso, não de ultimatos. Deveria basear-se em projectos de documentos que foram elaborados entre os dois lados nas primeiras semanas da guerra, e nas “realidades actuais no terreno” – uma referência ao facto de a Rússia controlar quase 20% da Ucrânia.

“Se chegarmos a esse ponto, precisaremos, é claro, entender com quem devemos e podemos negociar, para chegar à assinatura de documentos juridicamente vinculativos. E então devemos ter plena certeza de que estamos lidando com autoridades (ucranianas) legítimas”, disse Putin.

Putin ganhou um novo mandato de seis anos em março, numa eleição muito bem gerida que a oposição russa classificou como uma farsa.

Dois candidatos anti-guerra foram impedidos de concorrer por motivos técnicos e todas as principais figuras da oposição russa estão presas ou no estrangeiro. O mais conhecido, Alexei Navalny, morreu em fevereiro numa colónia penal no Ártico.

Os comentários de Putin serão provavelmente interpretados pela Ucrânia e pelos seus aliados ocidentais como mais uma prova de que ele não tem nenhuma intenção real de entrar em conversações de paz, apesar de frequentemente afirmar a sua vontade de negociar.

Cúpula da paz – Zelensky, no seu discurso noturno em vídeo, não fez nenhuma referência aos comentários do presidente russo, mas disse que Putin estava determinado a impedir a conferênia de paz do próximo mês.

“Ele tem medo do que a reunião possa produzir. O mundo é capaz de forçar a Rússia à paz e ao cumprimento das normas de segurança internacionais”, disse Zelensky.

“A Rússia não tem nada que possa contrariar a maioria mundial. A cimeira de paz é uma fórmula que permitirá a Putin deixar de mentir.”

A Rússia não foi convidada para a cúpula na Suíça e considerou o evento sem sentido sem a sua participação.

Zelensky disse repetidamente que a paz nos termos de Putin é um fracasso. Ele prometeu retomar territórios perdidos, incluindo a Crimeia, que a Rússia anexou em 2014. Ele assinou um decreto em 2022 que declarou formalmente qualquer conversação com Putin como “impossível”.

O chefe da Direção Principal de Inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia, Kyrylo Budanov, alertou em Fevereiro que a Rússia iria prosseguir uma campanha destinada a minar a legitimidade tanto de Zelensky como do sistema político da Ucrânia.

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/putin-diz-que-zelensky-nao-tem-legitimidade-apos-o-fim-do-mandato-61545s5w