Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

“Putin não tinha qualquer motivo para matar Navalny”, diz Korybko

Analista geopolítico diz que morte de blogueiro deve acentuar a russofobia.

O momento não poderia ter sido pior do ponto de vista dos interesses do Estado russo. A morte de Alexey Navalny em uma prisão no Ártico na sexta-feira, que foi atribuída provisoriamente a um coágulo sanguíneo, desencadeou outra rodada global de guerra de informações anti-russas. Autoridades ocidentais afirmaram minutos após a notícia que o Presidente Putin era responsável por sua morte, mas ele não tinha motivo para matá-lo enquanto o Ocidente tinha todo motivo para mentir que ele o fez. O presente texto apresentará alguns argumentos em apoio a essas teses interligadas.

Por Andrey Korybko, em seu Substack

O momento não poderia ter sido pior do ponto de vista dos interesses do Estado russo. As eleições presidenciais serão realizadas em um mês e o titular preferiria o maior comparecimento possível, mas agora alguns eleitores mal informados que normalmente não boicotariam a votação podem optar por fazê-lo em protesto. O Ocidente previsivelmente interpretará qualquer redução no comparecimento como deslegitimando o mandato do Presidente Putin quando ele ganhar outro mandato, como esperado.

Além disso, as manifestações não autorizadas que ocorreram em algumas cidades russas para lamentar Navalny levaram as forças policiais a deter alguns dos participantes, o que o Ocidente explorará em busca dos objetivos mencionados acima. Nenhum desses resultados levará a sérios distúrbios ou interromperá o processo político dentro da Rússia, mas sua importância reside em quanto podem continuar alimentando as operações de guerra de informações anti-russas dentro do próprio Ocidente.

Aí reside a importância imediata de suas mentiras, pois visam gerar mais apoio para o auxílio financeiro e militar à Ucrânia. Não há conexão entre a morte de Navalny e esse conflito, mas já está sendo difundida a narrativa de que aprovar mais ajuda é supostamente a melhor maneira de desafiar o Presidente Putin. Também é oportuno do ponto de vista do Ocidente que ele tenha morrido enquanto seus líderes estão em Munique agora para a conferência de segurança deste ano, pois agora podem coordenar facilmente esses planos..

Esses argumentos explicam de forma convincente por que o Presidente Putin não tinha motivo para matar Navalny, especialmente porque este suposto agente americano já estava preso e, portanto, não representava mais uma ameaça à segurança nacional, mas por que o Ocidente tem todo motivo para mentir que ele o fez. Sobre a reação deste último aos eventos, é claramente hipócrita, pois não disseram nada quando Gonzalo Lira morreu em uma prisão ucraniana no mês passado após ser preso sob acusações duvidosas relacionadas ao seu vídeo blog.

Além disso, a adoção por Navalny de visões islamofóbicas, ultranacionalistas e xenofóbicas em determinado momento de sua carreira o teria levado a ser “cancelado” se fosse um político ocidental, de acordo com os padrões “politicamente corretos” daquela civilização moderna, então é irônico que ele esteja sendo louvado por eles. A única razão pela qual estão fazendo isso é para fins de guerra de informações domésticas e estrangeiras relacionadas ao fortalecimento de elementos extremistas e à deslegitimação do Presidente Putin aos olhos do mundo, respectivamente.

Essa sempre foi o papel para o qual ele foi escolhido no esquema maior das coisas, especialmente após seu envenenamento misterioso no verão de 2020. Argumentou-se na época que “É Irrealista Especular Que o Kremlin Queria Matar Navalny” por razões semelhantes às compartilhadas no presente texto, vários meses após o que uma resposta foi dada à pergunta “Por Que Navalny Voltou ao Mesmo País que Ele Alegou Ter Tentado Matá-lo?” Em suma, ele foi incumbido de se tornar um “mártir político”.

“Navalny era um agente da OTAN, mas nem todos os manifestantes não autorizados são agentes estrangeiros”, nem naquela época nem agora. No entanto, seu retorno ao país para enfrentar acusações de corrupção e a severa sentença de prisão que ele sabia que o aguardava sempre foi destinado a servir como um meio de fortalecer elementos extremistas e deslegitimar o Presidente Putin, daí por que seus manipuladores o ordenaram a fazê-lo. Teoricamente, ele poderia ter recusado, mas ele estava ou muito comprometido ou radicalizado para fazê-lo.

De qualquer forma, o ponto em refrescar a memória dos leitores sobre isso é enfatizar que a Rússia poderia simplesmente tê-lo mantido dentro do país após o envenenamento misterioso no verão de 2020 e garantido que ele morresse no hospital, sem motivo para enviá-lo para a Alemanha se realmente o quisessem morto. Essa observação reforça as suspeitas entre muitos não ocidentais na época de que o que aconteceu não foi uma tentativa de assassinato fracassada como o Ocidente afirmou, mas uma provocação estrangeira.

No final do dia, embora naturalmente haja perguntas sobre o momento de sua morte, não deve haver dúvida de que o Presidente Putin não tinha motivo para matar Navalny enquanto o Ocidente tem todo motivo para mentir que ele o fez. Seja como for, o momento é tão desfavorável do ponto de vista dos interesses do Estado russo que as pessoas podem ser perdoadas por especular sem qualquer evidência neste momento pelo menos que uma mão estrangeira esteve envolvida, mas a investigação esclarecerá o que exatamente aconteceu assim que finalmente terminar.

FONTE

https://www.brasil247.com/mundo/putin-nao-tinha-qualquer-motivo-para-matar-navalny-diz-korybko?tbref=hp