Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Putin ordena confisco de ativos de gigantes da energia austríacos e alemães

O decreto de Putin tem como alvo os ativos da OMV e da Wintershall DEA na Rússia, sinalizando uma retaliação agressiva e um movimento estratégico para controlar os ativos ocidentais no Ártico da Rússia.

As sanções ocidentais ao setor e às entidades russas do petróleo e do gás ainda não foram tão funcionais como a maioria esperava. Ainda assim, o domínio energético de Moscou sobre os setores energéticos da Europa foi quebrado pelas ações ocidentais. Até agora, o presidente russo, Vladimir Putin, não reagiu com força total, mas parece que isso está prestes a mudar.

Putin ordenou a apreensão dos ativos da OMV da Áustria e da Wintershall DEA da Alemanha na Rússia. O principal objetivo é claramente contra-atacar o Ocidente e, ao mesmo tempo, consolidar o controle dos ativos ocidentais existentes no Ártico da Rússia, que ainda estão avaliados em vários bilhões de dólares. Como afirmaram ontem os relatórios russos, ao abrigo dos decretos presidenciais publicados em 19 de dezembro, as participações no campo Yuzhno-Russkoye e nos projetos Achimov, detidos pela OMV e Wintershall DEA, serão revertidas para empresas russas recém-criadas. A medida representa uma ruptura clara com os laços ainda existentes com a Alemanha e a Áustria. Ambos os países de língua alemã estão oficialmente no campo da Ucrânia, apoiando a campanha militar ucraniana contra a invasão russa, mas os políticos de ambos os países ainda são muito difusos nas suas próprias opiniões ou estratégias futuras. Os principais políticos alemães e austríacos ainda estão abertos a uma aproximação com o líder de Moscou, Putin, por vezes até indicando interesse nas importações de energia russas.

Os decretos de Putin, no entanto, minaram estas facções do Kremlin dentro dos círculos de poder de Berlim e Viena. O líder russo optou por atacar, não devido a uma posição forte ou a uma estratégia vencedora na Ucrânia, mas principalmente devido à necessidade de obter acesso a opções de receitas adicionais, ao mesmo tempo que indica ao Ocidente que está disposto a empreender uma guerra econômica também. As novas medidas estão alinhadas com outros confiscos já em curso, como as oito cervejarias da Carlsberg e várias fábricas da gigante alimentar francesa Danone.

Ao olhar para o confronto existente entre a Rússia e o Ocidente, a atitude de Putin não deveria ser muito surpreendente. Desde 2022, centenas de bilhões de dólares em ativos russos foram congelados no Ocidente. Ao mesmo tempo, os ativos de investidores e empresários russos foram confiscados. A Alemanha tem estado na vanguarda disto desde a invasão russa da Ucrânia, como demonstrado pela Alemanha assumindo o controle da grande refinaria de petróleo Schwedt, de propriedade russa, que fornece 90% do combustível de Berlim. A nacionalização da antiga Gazprom Germany GmbH, agora denominada SEFE, é outro exemplo.

Ao mesmo tempo, a apreensão de ativos da OMV e da Wintershall DEA na Rússia deve ser colocada à luz da crescente pressão sobre os governos ocidentais, ou especialmente europeus, não só para confiscarem ativos ou reservas financeiras russas, mas também para começarem a utilizar ativos russos apreendidos para apoiar a Ucrânia no seu conflito militar com Moscou. As dificuldades do governo Biden para lançar um novo pacote financeiro e armamentista para a Ucrânia são particularmente pertinentes. As medidas europeias para libertar ativos russos para financiar a economia e as forças armadas da Ucrânia muito em breve serão vistas pela Rússia como um ataque adicional. Atualmente, ativos russos no valor de cerca de 300 bilhões de dólares foram apreendidos ou congelados. Se parte destes fundos puder ser transferida para a Ucrânia, para financiar o esforço de guerra ou a reconstrução de Kiev, isso seria visto como um golpe significativo para Putin.

Wintershall e OMV também reagiram à apreensão dos seus bens russos. Ambas as partes indicaram que a situação atual é que todos os seus ativos foram nacionalizados, pelo que deveriam ser amortizados. A BASF e a Wintershall Dea indicaram que a apreensão dos seus ativos russos terá um efeito prejudicial na sua produção, uma vez que os projetos russos representaram metade da sua produção total. Wintershall Dea, que atualmente ainda é uma joint venture entre a BASF e a empresa de investimentos LetterOne do bilionário russo Mikhail Fridman. Atualmente Wintershall já estava em processo de saída da Rússia. A empresa austríaca de petróleo e gás OMV já deixou a Rússia em 2022. Em 2024, as atividades da Wintershall Dea com ou dentro da Rússia serão legalmente separadas.

CBR

Ao analisar a potencial perda financeira de ambas as entidades, a Wintershall Dea já reportou uma perda líquida em 2022 de 7,3 bilhões de euros devido à imparidade causada pelo desmembramento na Rússia. No mesmo ano, a OMV esperava uma perda potencial de 1,5 a 1,8 bilhão de euros com sua saída da Rússia. As informações atuais indicam que as participações nos projetos Achimov serão transferidas para sociedades de responsabilidade limitada especialmente constituídas, que serão oferecidas para avaliação e venda a uma empresa pouco conhecida, chamada Gazovyye Tekhnologii. Espera-se que os ativos da OMV sejam vendidos à sociedade anônima SOGAZ, que fornece seguros à Gazprom.

FONTE:

Putin ordena confisco de ativos de gigantes da energia austríacos e alemães