Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Quando a mídia imperial relata um massacre israelense

A única coisa boa sobre o que está acontecendo em Gaza é que está despertando os ocidentais para o fato de que tudo o que lhes foi dito sobre sua sociedade é uma mentira.

Em um evento que muitos agora estão chamando de Massacre da Farinha, pelo menos 112 gazenses foram assassinados e centenas ficaram feridos após as forças israelenses abrirem fogo contra civis que aguardavam alimentos de caminhões de ajuda tão necessários perto da Cidade de Gaza na quinta-feira.

Investigações iniciais do Euro-Med Human Rights Monitor revelaram que a multidão foi alvejada tanto por fuzis automáticos do IDF quanto por tanques israelenses, e dezenas de vítimas de tiros foram hospitalizadas após o incidente.

A versão dos eventos de Israel, é claro, mudou ao longo do dia,  conforme os gerentes de narrativa descobrem como enquadrar as informações disponíveis publicamente de uma maneira que não prejudique os interesses de relações públicas de Israel. Agora, estamos no ponto em que Israel está admitindo que as tropas do IDF realmente atiraram na multidão, depois de terem negado isso anteriormente, mas alegando que isso não foi o que causou a maioria das vítimas – dizendo que, na verdade, foram os palestinos que se atropelaram em um “pânico” humano que os feriu. Essencialmente, o argumento atual é “Sim, nós disparamos, mas não é por isso que eles morreram”.

O IDF afirma que as tropas israelenses começaram a disparar contra os palestinos porque os soldados “se sentiram ameaçados” por eles, o que mostra que não há atrocidade que Israel possa cometer onde não se apresentaria como a vítima. O Ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir, aproveitou a oportunidade para elogiar o IDF por lutar heroicamente contra os perigosos palestinos e para argumentar que o incidente prova que é perigoso demais continuar permitindo que os caminhões com ajuda humanitária entrem em Gaza.

Tão terrível quanto tem sido a máquina de propaganda israelense neste massacre, a mídia imperial ocidental tem sido ainda pior. As piruetas verbais que estas têm feito em seus títulos para evitar dizer que Israel massacrou pessoas famintas que esperavam por comida seriam genuinamente impressionantes, se não fossem tão macabras.

“Enquanto Gazans Famintos se Aglomeram em um Comboio, uma Multidão de Corpos, Tiros Israelenses e um Pedágio Mortal” diz um título do New York Times, como o resumo de um episódio de uma série de mistério de assassinato da Netflix.

“A entrega caótica de ajuda se torna mortal enquanto oficiais israelenses e gazenses trocam acusações”, diz um título indecifrável do The Washington Post.

“Biden diz que mortes relacionadas à ajuda alimentar de Gaza complicam as negociações de cessar-fogo”, diz o The Guardian. “Mortes relacionadas à ajuda alimentar”? Sério?

“Mais de 100 mortos enquanto uma multidão espera por ajuda, diz ministério da saúde administrado pelo Hamas”, diz um título da BBC. O canal de televisão estatal do Reino Unido está aqui usando uma tática testada e comprovada para lançar dúvidas sobre os números de mortos, associando-os deliberadamente ao Hamas, apesar do fato de que os números de mortos do ministério da saúde de Gaza são considerados tão confiáveis que os serviços de inteligência israelenses os usam em seus próprios registros internos.

“Pelo menos 100 mortos e 700 feridos em incidente caótico”, diz a CNN, como se estivesse descrevendo uma festa de fraternidade que saiu de controle.

“Chacina em local de ajuda alimentar em Gaza no meio de tiroteio israelense” diz outro título da CNN, como se a chacina e o tiroteio israelense fossem dois fenômenos não relacionados que,  infelizmente, apenas ocorreram ao mesmo tempo.

A CNN também se refere repetidamente aos assassinatos como “mortes por ajuda alimentar”, como se fosse a ajuda alimentar que os matou e não o exército de um poder estatal muito específico e muito nominável.

(Neste ponto, vale a pena notar que funcionários da CNN têm relatado anonimamente por meio de outros veículos de comunicação que houve um empurrão singularmente agressivo de cima para baixo dentro da rede para desviar a reportagem fortemente a favor dos interesses de informação israelense, impulsionado em grande parte pelo novo CEO Mark Thompson.)

Então é isso que acontece quando a mídia imperial relata um massacre israelense, caso você estivesse curioso e não estivesse prestando atenção desde 7 de outubro, ou nas décadas que o precederam. Os serviços de propaganda da imprensa ocidental operam de uma maneira que geralmente é indistinguível do manuseio de relações públicas de funcionários dos governos ocidentais, enquadrando o império ocidental e seus aliados de maneira positiva e seus inimigos de maneira negativa.

Isso acontece porque as mídias de massa ocidentais não existem  para relatar notícias e fornecer informações sobre o que está acontecendo no mundo, mas para fabricar o consentimento para o status quo político e a estrutura de poder dominante global que elas apoiam. A única diferença entre a nossa propaganda e a propaganda de uma ditadura impiedosa é que as pessoas que vivem sob uma ditadura sabem que estão sendo alimentadas com propaganda, enquanto os ocidentais são treinados para acreditar que estão ingerindo relatos imparciais e factuais.

A demolição de Gaza está alertando um número cada vez maior de  ocidentais para o fato de que isso está acontecendo; porém, porque quanto mais flagrantes forem as atrocidades, mais desajeitada a máquina de propaganda precisa ser para encobri-las. Está até abrindo os olhos dentro da própria máquina de propaganda, razão pela qual estamos vendo coisas como funcionários da CNN denunciando seu próprio CEO e funcionários do New York Times dizendo ao The Intercept que seus chefes cometeram uma prática jornalística extremamente grave ao produzir propaganda de atrocidades alegando estupros em massa pelo Hamas em 7 de outubro.

A única coisa boa sobre o que está acontecendo em Gaza é que está despertando os ocidentais para o fato de que tudo o que lhes foi dito sobre sua sociedade, as suas mídias e o seu mundo é uma mentira. Estão aparecendo rachaduras na ilusão, e aqueles de nós, que nos  importamos com a verdade, a paz e a justiça, precisamos ajudar a chamar a atenção para elas. A partir daí, a mudança real se torna uma possibilidade genuína.

fonte original: https://www.caitlinjohnst.one/p/when-the-imperial-media-report-on?utm_source=post-email-title&publication_id=82124&post_id=142205540&utm_campaign=email-post-title&isFreemail=false&r=9lbhd&triedRedirect=true&utm_medium=email

FONTE: https://www.brasil247.com/midia/quando-a-midia-imperial-relata-um-massacre-israelense?tbref=hp