Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 13 anos lutando pelos jornalistas (3)
QUEM LUCRA COM AS EXPLOSÕES DOS NORD STREAMS 1 E 2?

QUEM LUCRA COM AS EXPLOSÕES DOS NORD STREAMS 1 E 2?

Conversas secretas entre a Rússia e a Alemanha para resolver seus problemas do Nord Stream 1 e 2 tiveram que ser evitadas a qualquer custo
A Guerra dos Corredores Econômicos entrou em território incandescente e inexplorado:
TERRORISMO NOS OLEOGASODUTOS
Uma operação militar sofisticada – que exigiu planejamento exaustivo, possivelmente envolvendo vários atores – explodiu quatro seções separadas dos gasodutos Nord Stream (NS) e Nord Stream 2 (NS2) esta semana nas águas rasas do estreito dinamarquês, no Báltico Mar, perto da ilha de Bornholm.
Por Pepe Escobar em 29.9.2022 no The Cradle
Os sismólogos suecos estimaram que o poder das explosões pode ter atingido o equivalente a até 700 kg de TNT. Ambos NS e NS2, perto das fortes correntes ao redor de Borholm, são colocados no fundo do mar a uma profundidade de 60 metros.
Os tubos são construídos com concreto armado com aço, capaz de resistir ao impacto de âncoras de porta-aviões, e são basicamente indestrutíveis sem cargas explosivas graves. A operação – causando dois vazamentos perto da Suécia e dois perto da Dinamarca – teria que ser realizada por drones submarinos modificados.
Todo crime implica motivo. O governo russo queria – pelo menos até a sabotagem – vender petróleo e gás natural para a UE.
A noção de que a inteligência russa destruiria os oleodutos da Gazprom é mais do que ridícula. Tudo o que eles tinham que fazer era desligar as válvulas.
O NS2 nem estava operacional, com base em uma decisão política de Berlim. O fluxo de gás em NS foi prejudicado por sanções ocidentais. Além disso, tal ato implicaria que Moscou perdesse uma importante influência estratégica sobre a UE.
Fontes diplomáticas confirmam que Berlim e Moscou estiveram envolvidos em uma negociação secreta para resolver os problemas do NS e do NS2. Então eles tiveram que ser parados – sem restrições. Do ponto de vista geopolítico, a entidade que teve o motivo de travar um acordo tem anátema uma possível aliança no horizonte entre Alemanha, Rússia e China.
QUEM FOI?
A possibilidade de uma investigação “imparcial” de um ato de sabotagem tão monumental – coordenado pela OTAN, nada menos – é insignificante.
Fragmentos dos explosivos/drones submarinos usados ​​na operação certamente serão encontrados, mas as evidências podem ser adulteradas. Dedos atlantistas já estão culpando a Rússia. Isso nos deixa com hipóteses de trabalho plausíveis.
Esta hipótese é eminentemente sólida e parece ser baseada em informações de fontes de inteligência russas.
Claro, Moscou já tem uma boa ideia do que aconteceu (satélites e monitoramento eletrônico funcionando 24 horas por dia, 7 dias por semana), mas eles não vão tornar isso público.
A hipótese centra-se na Marinha polaca e nas Forças Especiais como os perpetradores físicos (bastante plausível; o relatório oferece detalhes internos muito bons), planejamento e suporte técnico americano (extra plausível) e ajuda dos militares dinamarqueses e suecos (inevitável, considerando isso estava muito próximo de suas águas territoriais, mesmo que tenha ocorrido em águas internacionais).
A hipótese se encaixa perfeitamente com uma conversa com uma importante fonte de inteligência alemã, que disse ao The Cradle que o Bundesnachrichtendienst (BND ou inteligência alemã) estava “furioso” porque “eles não estavam no circuito”.
Claro que não. Se a hipótese estiver correta, esta foi uma operação flagrantemente anti-alemã, carregando o potencial de metástase em uma guerra intra-OTAN.
O muito citado Artigo 5 da OTAN – “um ataque a um de nós é um ataque a todos nós” – obviamente não diz nada sobre um ataque OTAN contra OTAN.
Após os furos do oleoduto, a OTAN emitiu uma declaração mansa “acreditando” que o que aconteceu foi sabotagem e “responderá” a qualquer ataque deliberado à sua infraestrutura crítica. NS e NS2, aliás, não fazem parte da infraestrutura da OTAN.
Toda a operação teve que ser aprovada pelos americanos e implantada sob sua marca registrada Divide and Rule (Divida e Governe). “Americanos” neste caso significa os neoconservadores e neoliberais que dirigem a máquina governamental em Washington, por trás do leitor de teleprompter senil.
Esta é uma declaração de guerra contra a Alemanha e contra as empresas e os cidadãos da UE – não contra a máquina eurocrata kafkiana em Bruxelas.
Não se engane: a OTAN administra Bruxelas, não a chefe da Comissão Européia (CE) e russófoba raivosa Ursula von der Leyen, que é apenas uma humilde serva do capitalismo financeiro.
Não é de admirar que os alemães estejam absolutamente calados; ninguém do governo alemão, até agora, disse nada substancial.
O CORREDOR POLONÊS
A essa altura, várias turmas de bate-papo estão cientes do “tweet” do ex-ministro da Defesa polonês e atual eurodeputado Radek Sirkorski: “Obrigado, EUA”. Mas por que a insignificante Polônia estaria na vanguarda?
Há russofobia atávica, uma série de razões políticas internas muito complicadas, mas acima de tudo, um plano combinado para atacar a Alemanha baseado em ressentimento reprimido – incluindo novas demandas por reparações da Segunda Guerra Mundial.
Além disso, os poloneses temem que com a mobilização parcial da Rússia e a nova fase da Operação Militar Especial (SMO) – que em breve será transformada em uma Operação Contra-Terrorista (CTO) – o campo de batalha ucraniano se mova para o oeste.
A luz elétrica e o aquecimento ucranianos certamente serão destruídos. Milhões de novos refugiados no oeste da Ucrânia tentarão atravessar para a Polônia.
Ao mesmo tempo, há uma sensação de “vitória” representada pela abertura parcial do Canal do Báltico no noroeste da Polônia – quase simultaneamente à sabotagem.
O <<TIMING>> DAS EXPLOSÕES
A Baltic Pipe transportará gás da Noruega para a Polônia via Dinamarca. A capacidade máxima é de apenas 10 bilhões de metros cúbicos, o que é dez vezes menor que o volume fornecido por NS e NS2. Portanto, a Baltic Pipe pode ser suficiente para a Polônia, mas não traz valor para outros clientes da UE.
Enquanto isso, a névoa da guerra fica mais espessa a cada minuto. Já foi documentado que helicópteros dos EUA sobrevoaram os nós de sabotagem há apenas alguns dias; que um navio de “pesquisa” do Reino Unido estava vagando em águas dinamarquesas desde meados de setembro; que a OTAN twittou sobre o teste de “novos sistemas não tripulados no mar” no mesmo dia da sabotagem. Sem mencionar que a Der Spiegel publicou um relatório surpreendente intitulado: “A CIA alertou o governo alemão contra ataques a oleodutos do Mar Báltico”, possivelmente uma jogada inteligente para uma negação plausível.
O Ministério das Relações Exteriores da Rússia foi afiado como uma navalha:
<<O incidente ocorreu em uma área controlada pela inteligência americana.>>
A Casa Branca foi forçada a “esclarecer” que o presidente Joe Biden – em um vídeo de fevereiro que se tornou viral – não prometeu destruir o NS2; ele prometeu “não permitir” que funcionasse. O Departamento de Estado dos EUA declarou que a ideia de que os EUA estavam envolvidos é “absurda”.
_____

Pres. Biden: “Se a Rússia invadir… então não haverá mais um Nord Stream 2. Vamos acabar com isso.”

Repórter: “Mas como você vai fazer isso, exatamente, já que… o projeto está sob controle da Alemanha?”
Biden: “Eu prometo a você, seremos capazes de fazer isso.” https://t.co/uruQ4F4zM9 pic.twitter.com/4ksDaaU0YC
— ABC News (@ABC) 7 de fevereiro de 2022
_____
Coube ao porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, oferecer uma boa dose de realidade: os danos aos oleodutos representavam um “grande problema” para a Rússia, essencialmente perdendo suas rotas de fornecimento de gás para a Europa.
Ambas as linhas NS2 foram abastecidas com gás e – crucialmente – estavam preparadas para entregá-lo à Europa; este é Peskov admitindo enigmaticamente que as negociações com a Alemanha estavam em andamento.
Peskov acrescentou:
<<(…) esse gás é muito caro e agora está se dissipando no ar.>>
Ele enfatizou novamente que:
<<(…) nem a Rússia nem a Europa tinham nada a ganhar com a sabotagem, especialmente a Alemanha.>>
Nesta sexta-feira, haverá uma sessão especial do Conselho de Segurança da ONU sobre sabotagem, convocada pela Rússia.
O ATAQUE DOS “STRAUSSIANOS”
Agora vamos ao grande quadro.
O “terrorismo nos oleogasodutos” é parte de uma ofensiva straussiana, levando a separação da Rússia e da Alemanha ao nível máximo (como eles vêem).
“Leo Strauss and the Conservative Movement in America: A Critical Appraisal”, de Paul E. Gottfried (Cambridge University Press, 2011) é leitura obrigatória para entender esse fenômeno.
Leo Strauss, o filósofo judeu-alemão que lecionou na Universidade de Chicago, está na raiz do que mais tarde, de uma forma muito distorcida, tornou-se a Doutrina Wolfowitz, escrita em 1992 como a Orientação de Planejamento de Defesa, que definiu “a missão da América na era pós-Guerra Fria”.
A Doutrina Wolfowitz vai direto ao ponto:
<<(…) qualquer potencial concorrente à hegemonia dos EUA, especialmente “nações industriais avançadas” como Alemanha e Japão, deve ser esmagado.
A Europa nunca deve exercer soberania:
“Devemos ter cuidado para evitar o surgimento de um sistema de segurança puramente europeu que prejudicaria a OTAN e, particularmente, sua estrutura de comando militar integrada”.>>
Avanço rápido até a Lei de Empréstimo e Arrendamento de Defesa da Democracia da Ucrânia, adotada há apenas 5 meses. Estabelece que Kiev tem almoço grátis quando se trata de todos os mecanismos de controle de armas. Todas essas armas caras são alugadas pelos EUA à UE para serem enviadas à Ucrânia. O problema é que, aconteça o que acontecer no campo de batalha, no final, é a UE que terá que pagar as contas.
O secretário de Estado dos EUA, Blinken e sua subordinada, Victoria “F**k the EU” Nuland, são straussianos, agora totalmente soltos, tendo aproveitado o vazio negro na Casa Branca.
Tal como está, há pelo menos três “silos” de poder diferentes em uma Washington fraturada.
Para todos os straussianos, uma operação bipartidária apertada, unindo vários suspeitos habituais de alto perfil, destruir a Alemanha é primordial.
Uma séria hipótese de trabalho os coloca por trás das ordens para conduzir o Pipeline Terror (Terrorismo em Oleogasodutos).
O Pentágono negou veementemente qualquer envolvimento na sabotagem.
Existem canais secretos entre o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, e o conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan.
Fontes dissidentes de Beltway (Washington, DC) juram que a CIA também não faz parte desse jogo;
A agenda de Langley (CIA) seria forçar os straussianos a recuar na reincorporação da Rússia à Novorossiya e permitir que a Polônia e a Hungria engolissem o que quisessem na Ucrânia Ocidental antes que todo o governo dos EUA caísse em um vazio negro.
VENHA ME VER NA CIDADELA
No Grande Tabuleiro de Xadrez, a cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) em Samarcanda, Uzbequistão, duas semanas atrás, ditou a estrutura do mundo multipolar à frente. Junte-a aos referendos de independência em DPR, LPR, Kherson e Zaporozhye, que o presidente russo, Vladimir Putin, incorporará formalmente à Rússia, possivelmente já na sexta-feira.
Com a janela de oportunidade se fechando rapidamente para um avanço em Kiev antes dos primeiros sinais de um inverno frio, e a mobilização parcial da Rússia em breve para entrar no SMO renovado e aumentar o pânico ocidental generalizado, o Pipeline Terror pelo menos teria o “mérito” de solidificar uma vitória tática dos “straussianos”: Alemanha e Rússia fatalmente separadas.
No entanto, a reação será inevitável – de maneiras inesperadas – mesmo que a Europa se torne cada vez mais ucraniana e até polonesa: um fantoche intrinsecamente neofascista e descarado dos EUA como predador, não parceiro.
Muito poucos na UE não sofreram lavagem cerebral o suficiente para entender como a Europa está sendo preparada para a queda final.
A guerra, por aqueles “straussianos” abrigados no Deep State – neocons e neoliberais – não vai ceder.
É uma guerra contra a Rússia, China, Alemanha e várias potências eurasianas.
A Alemanha acaba de ser derrubada.
A China está atualmente observando, cuidadosamente. E a Rússia – nuclear e hipersônica – não será intimidada.
O grande mestre da poesia CP Cavafy, em À espera dos bárbaros , escreveu:
<<E agora o que será de nós, sem bárbaros?
Essas pessoas eram algum tipo de solução.>>
Os bárbaros não estão nos portões, não mais.
Eles estão dentro de sua Cidadela Dourada.
FONTE
https://thecradle.co/Article/Columns/16307