Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Relatório expõe as gigantes do petróleo que ‘abastecem a máquina de guerra de Israel’

Israel, que depende fortemente de importações de petróleo, recebeu pelo menos três navios-tanque de combustível dos Estados Unidos.

Chevron, Exxon, BP e outras grandes empresas de petróleo e gás possuem participações em oleodutos que estão ajudando Israel a alimentar seu catastrófico assalto à Gaza, mostram novas pesquisas.

Um relatório publicado na quinta-feira mostra que grandes empresas de combustíveis fósseis, como Chevron, ExxonMobil, Shell e BP, desempenham um papel fundamental no impulsionamento do devastador assalto militar de Israel à Gaza, facilitando o fornecimento de energia do país que alimenta jatos e tanques israelenses enquanto bombardeiam e atacam civis. As novas pesquisas, conduzidas pelo Data Desk e encomendadas pelo grupo de defesa Oil Change International, examinam as fontes de combustível para jatos de Israel e importações de petróleo bruto na tentativa de lançar luz sobre a teia de países e corporações implicadas na guerra na Faixa de Gaza.

Israel, que depende fortemente de importações de petróleo, recebeu pelo menos três navios-tanque de combustível para jatos dos Estados Unidos desde o início da guerra, mostram as pesquisas. Vários países — incluindo nações cujos líderes criticaram o assalto a Gaza — continuam fornecendo petróleo bruto a Israel durante sua campanha militar, que matou mais de 31.000 pessoas em menos de seis meses e desencadeou uma horrível crise humanitária. Israel recebe “envios relativamente pequenos, mas regulares, de petróleo bruto via oleoduto SUMED,” que “recebe petróleo bruto da Arábia Saudita, dos Emirados Árabes Unidos (EAU) e do Iraque, e do Egito, por onde o oleoduto passa,” observa o relatório.

“Países e grandes empresas de petróleo que alimentam a máquina de guerra de Israel são cúmplices no genocídio contínuo do povo palestino.”

A análise do Data Desk confirma que o diesel e a gasolina que Israel usa para abastecer seus tanques e outros veículos militares são gerados pelas refinarias do país, mas essas instalações dependem de importações da Rússia, Brasil, Azerbaijão e outros lugares.

“Grandes empresas internacionais de petróleo e gás cúmplices em facilitar esses suprimentos de petróleo bruto incluem: BP, Chevron, ExxonMobil, Shell, Eni e Total Energies,” diz o relatório.

A pesquisa aponta para vários oleodutos específicos que entregam petróleo bruto a Israel, incluindo o Oleoduto Baku-Tbilisi-Ceyhan (BTC) e o Consórcio do Oleoduto do Cáspio (CPC).

A BP opera o oleoduto BTC e a Exxon, Total Energies e outras empresas de petróleo proeminentes são acionistas. A Chevron possui a maior participação no oleoduto CPC.

Allie Rosenbluth, gerente do programa dos EUA na Oil Change International, instou os países a “alavancar seu fornecimento de petróleo como meio de exigir um cessar-fogo imediato e o fim da ocupação.” “Países e grandes empresas de petróleo que alimentam a máquina de guerra de Israel são cúmplices no genocídio contínuo do povo palestino,” disse Rosenbluth. “Ao fornecer diretamente o exército de Israel, além de mais de cem outras vendas de armas, os EUA em particular devem ser responsabilizados por possíveis violações do direito internacional.”

Organizações de direitos humanos têm clamado por um embargo de armas contra Israel há meses, mas menos atenção tem sido dada ao fornecimento de energia ao país.

No final de fevereiro, uma coalizão de organizações de defesa palestinas ressaltou que “os suprimentos de energia são instrumentais para a máquina de guerra de Israel: para operar seus tanques de exército, transportadores blindados de pessoal, navios e escavadeiras militares, incluindo combustível para jatos especializado, o que permite que os jatos israelenses tragam morte e destruição para Gaza.”

Os grupos pediram aos governos de todo o mundo que interrompam imediatamente todas as exportações de energia para Israel e imploraram aos trabalhadores e ativistas que façam tudo o que estiver ao seu alcance para “interromper o fluxo de energia que torna possível o genocídio de Israel.” Mahmoud Nawajaa, coordenador geral do Comitê Nacional BDS Palestino, disse em resposta ao novo relatório na quinta-feira que “estados e empresas que continuam a fornecer combustível a Israel para suas forças militares são diretamente cúmplices em apoiar seu genocídio contínuo.”

“O movimento BDS, que já está visando a Chevron com uma crescente campanha global de boicote e desinvestimento, irá expor e visar os estados e corporações cúmplices mencionados neste valioso relatório,” acrescentou Nawajaa.

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/relatorio-expoe-as-gigantes-do-petroleo-que-abastecem-a-maquina-de-guerra-de-israel