Associação Brasileira dos Jornalistas

capa14anos

Rivalidade EUA-BRICS moldará as guerras modernas

“Polarização deve se estender por toda a primeira metade do século XXI”, prevê Emir Sader.

2023 confirmou que o novo século também será um século de guerras. Não há perspectiva de que os conflitos na Ucrânia e em Gaza cheguem ao fim.

A Ucrânia pede desesperadamente aos Estados Unidos que encerrem o apoio militar e a ação da OTAN, pois isso fortaleceria a Rússia. Não seria o fim do conflito, mas um enfraquecimento do governo de Zelensky. A situação torna-se ainda mais séria com a possível expansão do confronto militar entre Israel e Hamas.

Israel reitera sua disposição de intensificar sua ofensiva contra a Palestina, buscando sua destruição. Essa ação resulta no maior genocídio deste século, com condições de se estender para o próximo ano e, provavelmente, para toda a década.

Essa é a base da guerra da nova polarização política entre o bloco liderado pelos EUA e o bloco agrupado em torno dos BRICS. Essa polarização deve se estender por toda a primeira metade do século XXI.

Na América Latina, a situação atual continuará. Foi um bom ano para o Brasil, com o retorno de Lula à presidência, marcando o fim do período de ruptura democrática iniciado pelo golpe de Bolsonaro.

A economia e o emprego voltam a crescer. Contudo, o Brasil ainda lida com a herança do período do golpe contra Dilma Rousseff e Lula. Ele tem que governar sem maioria no Congresso, negociando caso a caso, e sendo forçado a incluir as forças centristas no governo.

Outra herança é um presidente do Banco Central neoliberal que mantém uma taxa de juros muito alta. Lula terá que lidar com essa situação por mais um ano, completando metade de seu governo. A taxa de crescimento da economia continuará impactada por esse fator, o que reduz a taxa de recuperação do crescimento.

O país avança na transição do neoliberalismo para o pós-neoliberalismo, uma longa jornada, mas que deve consolidar um caminho sólido para o Brasil ao longo da primeira metade do século XXI. O retorno de suas políticas sociais clássicas e a incorporação de outras diminuem a desigualdade no país mais desigual do continente.

O Brasil continua sofrendo de isolamento em relação à sua parceira tradicional, a Argentina, que segue um caminho radicalmente oposto. A eleição de Milei significou o retorno da versão mais radical da implementação do estado mínimo.

Caso ele consiga manter-se no governo – o que é duvidoso, dadas as medidas repentinas e extremas de direita que começou a tomar – a Argentina enfrentará um revés radical por muitos anos. Pelo menos, o país viverá uma crise política prolongada, até que consiga se estabilizar em um determinado nível.

México e Colômbia são outros países que alcançaram um certo nível de estabilidade política, resistindo ao neoliberalismo. A existência de dois políticos com grande capacidade de liderança, semelhantes ao Brasil, como López Obrador e Gustavo Petro, é uma condição indispensável para que esses países resistam ao neoliberalismo. A Bolívia é outro país que resiste ao neoliberalismo. É provável que esses países mantenham esse nível ao longo do próximo ano. Mas, se conseguirem se articular com o Brasil, terão melhores condições de resistência.

A América Latina, após várias idas e vindas ao longo deste século, não é mais uma região que, globalmente, é uma exceção, como foi nas duas primeiras décadas do século. Países como Argentina e Uruguai são vítimas da onda neoliberal e dificilmente superarão essa situação este ano. O Equador não é apenas uma vítima do neoliberalismo, enfrentando também uma crise de segurança.

De maneira geral, a situação internacional, e particularmente a da América, pode sofrer mudanças com a eventual eleição de Trump nos Estados Unidos, tanto na política americana quanto na relação desta com o continente.

Desde o surgimento dos BRICS, o mundo está irreversivelmente dividido entre dois blocos. O surgimento dos BRICS é a maior novidade deste século, devendo marcar pelo menos a primeira metade do século XXI.

FONTE:

https://www.brasil247.com/blog/rivalidade-eua-brics-moldara-as-guerras-modernas