Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

RÚSSIA-IRÃ-CHINA BUSCAM UMA NOVA ORDEM DE SEGURANÇA GLOBAL

Enquanto o Ocidente coletivo está nas garras de uma crise de legitimidade existencial, o RIC está a conceber a sua própria ordem de segurança para proteger o resto do mundo dos “genocidas”.
O Hegemon não tem ideia do que aguarda a mentalidade Excepcionalista: a China começou a agitar decisivamente o caldeirão civilizacional sem se preocupar com uma série inevitável de sanções que ocorrerão no início de 2025 e/ou com um possível colapso do sistema financeiro internacional.
Escrito por Pepe Escobar e postado em 3.5.2024 
(Crédito da foto ilustrativa: The Cradle)
Na semana passada, o Secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, e a sua lista de exigências ilusórias dos EUA, foram recebidos em Pequim pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, e pelo Presidente Xi Jinping, como pouco mais do que um mosquito irritante.
Wang, oficialmente, enfatizou que Teerã tinha justificativa para se defender contra a destruição da Convenção de Viena por Israel quando atacou o consulado iraniano em Damasco.
No Conselho de Segurança da ONU, a China questiona agora abertamente não só o ataque terrorista estatal aos Nord Streams, mas também o bloqueio do combo EUA-Israel à criação de um Estado palestino.
Além disso, Pequim, tal como recentemente Moscou, acolhe as facções políticas da Palestina numa conferência com o objetivo de unificar as suas posições.
Na próxima terça-feira (7.5.2024), apenas 2 dias antes de Moscou celebrar o Dia da Vitória, o fim da Grande Guerra Patriótica, Xi desembarcará em Belgrado para lembrar ao mundo inteiro o 25º aniversário do bombardeio da embaixada chinesa pelos EUA, Reino Unido e OTAN.
A Rússia, entretanto, forneceu uma plataforma para a UNRWA – a agência de ajuda da ONU para os refugiados palestinos, que Israel tem procurado desfinanciar – para explicar aos altos representantes do BRICS-10 a situação humanitária cataclísmica em Gaza, conforme descrita pelo Comissário-Geral da UNRWA, Philippe. Lazzarini.
Em suma, negócios políticos sérios já estão sendo conduzidos fora do sistema corrupto da ONU, à medida que as Nações Unidas se desintegram numa concha corporativa com os EUA a ditarem todos os termos como o maior acionista.
Mais um exemplo importante dos BRICS como a nova ONU: o presidente do Conselho de Segurança Russo, Nikolai Patrushev, reuniu-se em São Petersburgo com o seu homólogo chinês Chen Wenqing à margem da 12ª Cimeira Internacional de Segurança, reunindo mais de 100 nações, incluindo os chefes de segurança dos BRICS- 10 membros Irã, Índia, Brasil e África do Sul, bem como Iraque.
O “SHOW” DE SEGURANÇA SCO (SHANGAI COOPERATION ORGANIZATION)
No entanto, a principal encruzilhada destes últimos dias foi a cimeira de defesa da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), em Astana, no Cazaquistão.
Pela primeira vez, o novo Ministro da Defesa chinês, Dong Jun, reuniu-se com o seu homólogo russo, Sergei Shoigu, para enfatizar a sua parceria estratégica abrangente.
Dong, significativamente, sublinhou a natureza “dinâmica” da interação militar China-Rússia, enquanto Shoigu redobrou, dizendo que “estabelece um modelo para relações interestatais” baseado no respeito mútuo e em interesses estratégicos partilhados.
Dirigindo-se a toda a assembleia da SCO, Shoigu refutou enfaticamente o enorme esforço de propaganda ocidental sobre uma “ameaça” russa à OTAN.
Todos estiveram na reunião dos ministros da defesa da SCO – incluindo, na mesma mesa, a Índia, o Irã, o Paquistão e a Bielorrússia como observadores. Minsk está ansioso para ingressar na SCO.
As parcerias estratégicas interligadas Rússia-Irã-China estavam totalmente sincronizadas.
Além de Dong se encontrar com Shoigu, ele também se encontrou com o ministro da Defesa iraniano, brigadeiro-general Mohammad Reza Ashtiani, que elogiou generosamente a condenação de Pequim ao ataque aéreo terrorista israelense em Damasco.
O que está acontecendo agora entre Pequim e Teerã é uma repetição do que começou no ano passado entre Moscou e Teerã, quando um membro da delegação iraniana, em visita à Rússia, observou que ambas as partes haviam concordado em um acordo mútuo de relações de alto nível para “tudo o que for preciso”…
Em Astana, o apoio de Dong ao Irã era inequívoco. Não só convidou Ashtiani para uma conferência de segurança em Pequim, refletindo a posição iraniana, como também apelou a um cessar-fogo imediato em Gaza e à entrega de ajuda humanitária.
Shoigu, reunido com Ashtiani, forneceu um contexto adicional quando lembrou que “a luta conjunta contra o terrorismo internacional na Síria é um exemplo vívido das nossas relações amistosas de longa data”.
O ministro da defesa russo apresentou então o seu argumento decisivo:
<<<<<<A atual situação político-militar e as ameaças aos nossos Estados obrigam-nos (…) a abordagens comuns para a construção de uma ordem mundial justa baseada na igualdade para todos os participantes na comunidade internacional.>>>>>>
UMA NOVA ORDEM DE SEGURANÇA GLOBAL
O estabelecimento de uma nova ordem de segurança global está no centro do planejamento dos BRICS-10 – a par do debate sobre a desdolarização.
Tudo isto é um anátema para o Ocidente coletivo, que é incapaz de compreender as parcerias multifacetadas e interligadas entre a Rússia, o Irã e a China.
A interação continua presencial. O presidente russo, Vladimir Putin, visitará Pequim no final deste mês.
Em Gaza, a posição Rússia-Irã-China está em completa sincronia: Israel está cometendo genocídio.
Para a UE – e para a OTAN como um todo – isto não é genocídio: o bloco apoia Israel aconteça o que acontecer.
Depois do Irã, em 13.4.2024, ter mudado para sempre o jogo na Ásia Ocidental, sem sequer utilizar os seus melhores mísseis hipersonicos, a questão-chave para a Maioria Global é dura: no final, quem irá conter os genocidas, e como?
Fontes diplomáticas sugerem que isto será discutido pessoalmente por Putin e Xi.
Como observa um estudioso chinês, com desenvoltura singular:
<<<<<< Desta vez, os bárbaros enfrentam uma civilização com escrita contínua de 5.000 anos; armada com a Arte da Guerra de Sun Tzu; o pensamento de Mao; a estratégia de dupla circulação de Xi, o Cinturão e Rota; os paises BRICS+, a digitalização do renminbi; Rússia e China ilimitadas; a indústria manufatureira mais poderosa do mundo; a potencial supremacia tecnológica; a potência econômica e o apoio do Sul Global.>>>>>>
Tudo isso contra um Hegemon polarizado e em turbulência, com o seu porta-aviões genocida na Ásia Ocidental totalmente fora de controle.
As ameaças dos EUA de uma “escolha clara” entre pôr fim a várias vertentes fundamentais da parceria estratégica Rússia-China ou enfrentar um tsunami de sanções não são suficientes em Pequim.
O mesmo se aplica às tentativas ilusórias de Washington de impedir que os membros dos BRICS abandonem o dólar americano.
O Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, deixou bem claro que Moscou e Pequim quase chegaram ao ponto de abandonar o dólar americano no comércio bilateral.
O roubo total de ativos russos pelo Ocidente coletivo é a última linha vermelha para os BRICS – e todas as outras nações que assistem com horror – como um todo: este é definitivamente um Império “não capaz de acordo”, como Lavrov tem enfatizado desde recentemente (2021).
Yaroslav Lisovolik, fundador da BRICS+ Analytics, rejeita as ameaças do Hegemon contra os BRICS, uma vez que o roteiro para um sistema de pagamentos alternativo ainda está na sua infância.
Quanto ao comércio Rússia-China, o comboio de alta velocidade não-dólar já saiu da estação.
No entanto, a questão chave permanece: como é que a Rússia-Irã-China (RIC), enquanto líderes dos BRICS, membros da SCO e, simultaneamente, as 3 principais “ameaças existenciais” ao Hegemon, serão capazes de começar a implementar uma nova arquitetura de segurança global sem encarar o genocidas?
FONTE
https://thecradle.co/articles-id/24702