Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 13 anos lutando pelos jornalistas (3)
Sai general bolsonarista, entra general tucano pelas mãos de Alckmin

Sai general bolsonarista, entra general tucano pelas mãos de Alckmin

“Alckmin teria costurado a chegada de Tomás ao comando do Exército e evitado emergência de crise militar capaz de derrubar o governo Lula”, diz César Fonseca.

Os militares brasileiros entraram numa fria histórica e, certamente, pagarão pelo seu comportamento por se engajarem e apoiarem acriticamente governo fascista comandado por ex-presidente genocida, empenhado em destruir a democracia e, agora, como se sabe, as populações dos povos originários da Amazônia, em nome do lucro dos garimpeiros gananciosos; o horror bolsonarista, com o qual os militares se compactuaram, ficou expresso na transformação das aldeias dos Yanomanis em campo de concentração nazista; os famélicos indígenas, massacrados pelo poder do capital, liberado para cavoucar a Amazônia em busca de ouro pelo genocida presidente, virou prova concreta da aliança Bolsonaro-militares na prática de crime hediondo que escandaliza a humanidade e desmoraliza, completamente, o Brasil.

Ação decisiva de Lula

É nesse contexto que o general Júlio Cesar Arruda, ex-comandante do Exército, que Lula demitiu do cargo por falta de confiança nele, dado que se mostrou conspirador contra regime democrático, revelando-se bolsonarista de carteirinha; sentindo-se invulnerável, acima das leis e da Constituição, o militar, agora, reformado pelo ministro da Defesa, comportou-se, abertamente, como golpista ao cruzar os braços diante do quebra-quebra dos palácios republicanos na Praça dos Três Poderes, no fatídico 8 de janeiro; resistiu à ordem de prisão dos manifestantes golpistas, alojados em torno dos quartéis em Brasília, pela Polícia Militar, colocando-se a serviço do ex-presidente genocida, não do atual presidente a quem é, pela Constituição, subordinado; subverteu, claramente, a carta magna.

Vocação ditatorial

Arruda impediu, arrogante e ditatorialmente, a ação das forças responsáveis pela segurança da capital; ao ser questionado pelo ministro da Justiça, por desobedecer determinação do presidente Lula para desfazer promoção do ex-chefe de ordens do ex-presidente Bolsonaro, tenente-coronel Mauro Gil, para comando das forças militares, em Goiânia, colocou o dedo em riste no nariz do ministro, como se fosse o mandachuva da República à revelia da legalidade constitucional; estava, portanto, prestando seu último serviço a Bolsonaro, ao proteger o ex-ajudante de ordens sobre o qual recai sérias acusações de serviçal a promover desmandos e ações que desonraram sua função de servidor público; a demissão justa de Arruda, por Lula, dado que quebrou a hierarquia diante do chefe maior das forças armadas, abriu espaço à admissão do general Tomás Miguel Ribeiro Paiva como novo comandante do Exército nacional.

Novo comandante militar ex-tucano

O curioso e intrigante é que o general Tomás Paiva, antes de ser nomeado, no sábado, 21, para o novo posto, fizera, na sexta-feira, 20, discurso em defesa da democracia e da necessidade de obediência ao resultado das urnas, algo capital que deixou de ser feito pelo general Arruda, demitido, naquele mesmo sábado; vale dizer: Tomás desancou Arruda, ainda, na condição de subordinado dele; teria ou não ele desobedecido seu superior, rompendo a hierarquia militar, ou o fez de caso pensado, consciente de que galgaria o novo posto, tendo por trás apoio político suficiente para avalizar sua aventura?

Por que golpista Arruda, diante do rompimento da hierarquia, não demitiu, na hora, aquele que o derrubaria, o legalista general Tomás?

Os antecedentes políticos de Tomás explicam sua ousadia ambígua; ele fora, no exercício da sua carreira, assessor de ordens do maior dos tucanos históricos, o neoliberal ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o primeiro anti-presidente do anti-estado nacional, segundo o, então, senador Lauro Campos (PT-DF), que migraria, posteriormente, para o PDT de Brizola; na sequência, Tomás trabalhou com o, então, governador Geraldo Alckmin, agora, vice-presidente de Lula, não mais como tucano filiado ao PSDB, mas como integrante do PSB, na composição da Frente Ampla lulista, para ajudá-lo a derrotar Bolsonaro.

Fator Alckmin no jogo militar do poder

Dessa forma, o que se operou, no final da semana passada, no quadro de comando do Exército, foi a bancarrota de um general bolsonarista(Arruda), e a ascensão de um general pretensamente tucano(Tomás); destaque-se que o general Tomás, agora, todo poderoso no Forte Apache, trabalhou como ex-chefe de gabinete do ex-comandante do Exército, general Villas Boas, articulador da candidatura Bolsonaro, em 2018, e peça-chave para pressionar o STF a não conceder habeas corpus a Lula, permitindo-lhe disputar eleição, naquele ano, para enfrentar Bolsonaro; resumo da ópera: o vice Geraldo Alckmin, segundo informações, em Brasília, teria costurado, politicamente, a chegada de Tomás ao comando do Exército e evitado emergência de crise militar capaz de derrubar governo Lula pelo hoje ex-comandante bolsonarista Arruda. Ou não?

FONTE:

https://www.brasil247.com/blog/sai-general-bolsonarista-entra-general-tucano-pelas-maos-de-alckmin