Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Sanders: “Netanyahu é um criminoso de guerra e não deveria ser convidado para discursar no Congresso”

Senador democrata criticou o convite do Congresso dos EUA para que o premiê israelense visite o Capitólio, ignorando resolução do Tribunal Penal Internacional.

Ignorando o pedido de prisão do procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI) contra Benjamin Netanyahu, solicitado pelo procurador Karim Khan, que acusa o líder do governo sionista de Israel por “crimes de guerra e crimes contra a humanidade”, o Congresso dos Estados Unidos anunciou neste sábado (1º) que convidou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a realizar um discurso no Capitólio.

O convite foi uma iniciativa em conjunto das lideranças tanto do Partido Democrata quanto do Partido Republicano, no Senado e na Câmara de Representantes dos Congresso norte-americano.

No entanto, para o senador democrata Bernie Sanders, “Benjamin Netanyahu é um criminoso de guerra” e “não deveria ser convidado para discursar em uma reunião conjunta do Congresso”.

“Certamente não irei comparecer”, disse o parlamentar estadunidense. “É claro que Israel tinha o direito de se defender contra o horrível ataque terrorista do Hamas de 7 de Outubro, mas não tinha, nem tem, o direito de entrar em guerra contra todo o povo palestino”, argumenta.

Segundo ele, Israel não tem o direito de matar mais de 34 mil civis. “Não tem o direito de deixar órfãs 19.000 crianças. Não tem o direito de aniquilar o sistema de saúde de Gaza, deixando 26 hospitais fora de serviço e matando mais de 400 profissionais de saúde”, enfatizou.

E acrescenta: “Certamente não tem o direito de impedir que a ajuda humanitária chegue às pessoas desesperadas de Gaza, criando condições para a fome e a fome. Esta é uma clara violação do direito americano e internacional”.

https://x.com/BernieSanders/status/1796977011614777466

FONTE:

https://www.brasil247.com/mundo/sanders-netanyahu-e-um-criminoso-de-guerra-e-nao-deveria-ser-convidado-para-discursar-no-congresso