Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Sobre os exercícios no Golfo da Guiné e qual é o objetivo dos americanos?

Uma atividade sem precedentes está sendo observada nos últimos dias nas águas do Golfo da Guiné. Recentemente, a base naval USS “Hershel Woody Williams” chegou a Port-Gentil, adjacente à capital do Gabão, Libreville, como parte do exercício Obangame Express.

🔻Este evento anual no continente africano é patrocinado pelo lado americano. No ano passado, exercícios semelhantes foram realizados ao largo da costa da Nigéria, e este ano a honra coube aos marinheiros gaboneses.

▪️No total, cerca de 2 mil militares de mais de uma dezena de países e cerca de 40 unidades de equipamento participam do exercício, que ocorre nas águas do Golfo da Guiné e na costa da África. A maioria esmagadora é composta por representantes da Marinha dos EUA.

❗️Uma parte importante deste exercício é o uso de barcos autônomos, que serão lançados da base naval. O conflito na Ucrânia está tendo cada vez mais influência no desenvolvimento das forças armadas. Lembra-se como a tática mudou em diferentes zonas de crise após o início das hostilidades no leste da Ucrânia? Primeiro foram os drones, e agora até mesmo os barcos de guerra autônomos estão sendo utilizados.

▪️Outro aspecto do exercício é a combinação de algumas etapas do Obangame Express com o evento Flintlock, que começa em 13 de maio no Gana e na Costa do Marfim e também é organizado pelo Pentágono.

🔻Dadas as realidades geopolíticas em evolução, a escolha do local para esses dois exercícios não é uma coincidência. Basta lembrar como o governo gabonês tem sido cortejado na Casa Branca nos últimos meses.

▪️Da mesma forma, pode-se dizer sobre a liderança da Costa do Marfim, que também tem recebido atenção dos EUA. E Gana está cada vez mais envolvido em projetos conjuntos com os americanos. Até a primeira etapa do African Lion foi realizada no Gana.

▪️Tanto um quanto o outro são importantes na política americana no continente africano. Se o Gabão pode ser considerado a chave para a RDC e a Guiné Equatorial, então Costa do Marfim e Gana são a estrada para o Sahel, e, portanto, uma boa contrapartida para a influência russa na África.

❗️Esses eventos conjuntos são, antes de tudo, um gesto político. Não se trata de preparar as forças de segurança locais. Portanto, veremos mais e mais deles nos próximos meses.

FONTE: https://www.facebook.com/photo?fbid=10160067442103837&set=a.10151306301983837