Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

Toffoli sinaliza que pode iniciar debate sobre revisão da Lei da Anistia ainda neste ano

Ação foi apresentada pelo Psol em 2014.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli sinalizou que pode dar início, ainda neste ano, a uma audiência pública para discutir a revisão da Lei da Anistia, diz a jornalista Mônica Bergamo em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo. A manifestação ocorreu na semana passada, durante uma reunião com representantes do Instituto Vladimir Herzog, organização que leva o nome do jornalista assassinado pela ditadura militar (1964-1985) e que trabalha pela revisão da norma.

Promulgada em 1979, a Lei da Anistia concedeu perdão a indivíduos que cometeram “crimes políticos ou conexos” entre 1961 e 1979, possibilitando o retorno de opositores exilados no exterior, mas deixando impunes as violações cometidas pelo aparato repressor do regime militar.

“O debate sobre a norma, agora, se dará no âmbito de uma ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) apresentada pelo PSOL em 2014 e que passou a ser relatada por Toffoli em 2021. Nela, o partido pede a anulação da anistia para agentes públicos, militares ou civis que cometeram ‘graves violações de direitos humanos’ contra pessoas acusadas pela prática de crime político”, destaca a reportagem.

Em 2019, a então procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu a tramitação prioritária do processo, argumentando que os “presumidos perpetradores de tais graves violações de direitos humanos” poderiam jamais ser julgados por causa da idade avançada e do risco de morte.

Na reunião com Toffoli, estiveram presentes o advogado Belisário dos Santos Jr., ex-secretário da Justiça de São Paulo e defensor de réus da ditadura, o diretor-executivo do Instituto Vladimir Herzog, Rogério Sottili, e a advogada Bianca dos Santos Waks, representante da entidade na ADPF.

Embora a sinalização de Toffoli represente uma expectativa, o Instituto Vladimir Herzog a recebeu como uma vitória, visto que busca a revisão da Lei da Anistia como uma forma de reparação aos familiares de presos, mortos e desaparecidos durante a ditadura.

A Lei da Anistia foi aprovada em 1979, reafirmada pelo Congresso após a redemocratização e confirmada pelo STF em 2010. O tribunal considerou a norma como resultado de um acordo político e fruto de amplo debate na sociedade brasileira. Após esse julgamento, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil a realizar esforços para determinar o paradeiro das vítimas desaparecidas.

Em 2014, a Comissão Nacional da Verdade recomendou a revisão da Lei da Anistia, destacando 377 pessoas como responsáveis por assassinatos e torturas, além de listar 210 desaparecidos e 191 mortos no período da ditadura militar.

FONTE:

https://www.brasil247.com/brasil/toffoli-sinaliza-que-pode-iniciar-debate-sobre-revisao-da-lei-da-anistia-ainda-neste-ano?tbref=hp