Associação Brasileira dos Jornalistas

Seja um associado da ABJ. Há 12 anos lutando pelos jornalistas

A disputa hegemônica no século XXI

Um novo cenário político tomou rapidamente forma em escala global com o regresso a um mundo bipolar.

O século XXI teve alguns enquadramentos que permitem a sua periodização. O primeiro evento notável foi o início da primeira guerra. A segunda, a crise de 1929. A terceira, o início da segunda guerra. A quarta, a emergência do mundo bipolar, no final da segunda guerra. O quinto é o fim da URSS e o ressurgimento de um mundo unipolar. Ao longo do século houve o esgotamento da hegemonia mundial da Inglaterra, a disputa entre os Estados Unidos e a Alemanha pela sucessão nas duas guerras mundiais, o período de hegemonia compartilhada entre o bloco liderado pelos Estados Unidos e o liderado pela URSS, o fim disto e o regresso a um mundo unipoar sob a hegemonia norte-americana.

É neste cenário mundial que se dá a transição do século XX para o século XXI. Este século já conheceu fenómenos muito importantes. Em primeiro lugar, os governos anti-neiliberais da América Latina, que mostraram que é possível ter governos com estas características, além de projetá-los como os principais líderes esquerdistas do mundo. Em segundo lugar, o novo século assistiu à expansão de governos e líderes de extrema-direita, dos quais Donald Trump e Jair Bolsonaro foram os primeiros líderes. Houve uma recomposição da direita, que retomou o governo em alguns países – Brasil, Bolívia, Equador, Uruguai, Argentina.

O desaparecimento da URSS e do campo socialista fez emergir um mundo unipolar, substituindo o mundo bipolar. O bloco emergiu como única superpotência mundial, desenhando um cenário que parecia projetado para todo o século XXI.

Mas a história reservou novas surpresas. A nível internacional, a Rússia e a China estabeleceram aproximações que nunca tinham estabelecido no passado. Um novo cenário político tomou rapidamente forma em escala global com o regresso a um mundo bipolar.

Quem melhor captou essas transformações foi o historiador inglês Peter Frankopan. No seu livro O coração do mundo – uma nova história universal da Rota da Seda – e em seu livro posterior: The Silk Roads.

“Em muitos aspectos, o final do século XX e o início do século XXI representaram uma espécie de desastre para os Estados Unidos e a Europa, uma vez que se envolveram numa luta fatídica para manter as suas posições nos territórios vitais que ligam o Leste para oeste. (Frankopan, O Coração do Mundo) O que é mais impressionante nestes acontecimentos é “a falta de visão do Ocidente em relação à história global. Frankopan acrescenta: “De leste a oeste, as Rotas da Seda estão ressurgindo.” E acrescenta: “O que estamos a testemunhar, no entanto, é o nascimento de uma região que já dominou o panorama intelectual, cultural e económico e que agora está a reemergir”.

Estes seriam “sinais de uma mudança no centro de gravidade do mundo – regressando ao lugar onde esteve durante milénios”. Mais do que isso: “A era do Ocidente está a viver uma encruzilhada ou, na melhor das hipóteses, o seu fim”. Para o Ministério da Defesa do Reino Unido: “O período até 2040 será um momento de transição”.

Frankopan conclui seu trabalho afirmando: “O mundo está mudando ao nosso redor. À medida que entramos numa era em que a hegemonia política, militar e económica do Ocidente está sob pressão, o sentimento de incerteza é perturbador. Entretanto, “múltiplas redes e ligações estão a ser articuladas silenciosamente ao longo da espinha dorsal da Ásia; ou melhor ainda, eles estão sendo restaurados. “São as Rotas da Seda.”

Esse é o cenário central da disputa hegemônica no século XXI.

FONTE:

https://www.brasil247.com/blog/a-disputa-hegemonica-no-seculo-xxi